Dívidas ainda incomodam Mangueira: ‘Ganhar é bom, mas não resolve’

Por Luiz Felippe Reis

“Não tá fácil pra ninguém” é uma expressão bem popular e que pode ser corretamente aplicada ao universo das escolas de samba do Carnaval carioca, que sofrem até hoje o impacto da crise financeira do Brasil iniciada com mais intensidade a partir de meados de 2015. E vejam só: até para a atual campeã da festa, a Estação Primeira de Mangueira, a situação não é das mais fáceis de lidar.

Chiquinho da Mangueira
Mesmo após o título, a Mangueira ainda sofre com dívidas trabalhistas e problemas financeiros: ‘Ganhar é sempre bom, mas não resolve” – Foto: Rodrigo Trindade

Até o ano passado, a verde e rosa respondia a mais de 100 ações na Justiça. Além da coleção de dívidas trabalhistas, a escola sofreu severos embargos em suas receitas. Embora o presidente Chiquinho da Mangueira tenha empenhado os esforços da gestão em solucionar a esfera financeira, a escola segue com alguns problemas que já vinha sofrendo, mesmo após a apoteose do título em 2016.

– Ganhar sempre é bom, mas não resolve o problema. Mas a gente vem administrando com cautela, com responsabilidade. A Mangueira hoje vive problemas, mas menos do que tinha. E a gente vem tendo equilíbrio pra fazer as coisas. É um momento ainda difícil no país. São problemas internos e externos – comenta Chiquinho, que foi reeleito em abril com 81,6% dos votos.

Chiquinho sobre mangueira
Chiquinho da Mangueira se prepara o quarto Carnaval à frente da Estação Primeira e garante a cautela costumeira na hora de desenvolver o desfile assinado por Leandro Vieira – Foto: Fernando Azevedo/Site Oficial da Mangueira

Logo após a quebra de jejum de 14 anos sem títulos em 2016, que botou a Mangueira de volta ao lugar mais alto do pódio da festa, o dirigente surpreendeu ao revelar que o desfile campeão foi mais barato em relação ao de 2015, quando a verde e rosa ficou em 10° lugar na elite. A ideia é manter a linha econômica no próximo ano.

– Nós terminamos o Carnaval sem dever nada a ninguém. E no próximo ano vamos fazer a mesma coisa. Vamos fazer um Carnaval pra brigar, mas podendo olhar no olho de todo mundo. Vamos seguir a mesma linha. Não sei se o Carnaval 2017 vai ser mais barato que o de 2016, mas não vai ser mais caro. A gente vai manter o padrão pra não correr risco de chegar perto do Carnaval com dificuldade no barracão, com as pessoas não querendo trabalhar – garante.

Pelo segundo ano consecutivo, a Mangueira será a última a desfilar na Segunda-feira de Carnaval, pelo Grupo Especial. Assinado pelo carnavalesco Leandro Vieira, o enredo “Só com a ajuda do santo” pretende levar a verde e rosa ao bicampeonato da festa mais popular do Brasil.