Musa, Wanessa Camargo não quer ser rainha: ‘Muita prepotência achar que eu possa ser’

Por Fábio Klotz

A paixão pela Mocidade começou em 1996, quando ficou hipnotizada ao assistir ao desfile pela TV, em 1996. Vinte e um ano depois, Wanessa Camargo vai sentir a emoção de pisar na Avenida defendendo a escola de coração. Ela será musa da escola de Padre Miguel, uma responsabilidade e tanto. A cantora admite que ainda precisa evoluir no quesito samba no pé, mas tem a receita para brilhar na Marquês de Sapucaí.

Wanessa Camargo aposta na alegria e na emoção para brilhar na Avenida | Foto: Irapuã Jeferson

– Vamos chegar lá (mostrar samba no pé). Eu tive uma aula e percebi que preciso de muita aula (risos). Acho que a emoção conta muito mais do que o samba no pé. É importante, mas obviamente não vou sambar como uma passista da escola. Então vou tentar aprender o máximo que posso, eu gosto de dançar. Vou com alegria. O que mais vou buscar é trazer a emoção que estou vivendo, mais importante do que o próprio samba no pé – declarou Wanessa, neste domingo, 22, no ensaio técnico da Mocidade no Sambódromo.

A emoção, aliás, toma mesmo conta de Wanessa. Ela sabe da responsabilidade de ser musa, ainda mais da escola da qual é torcedora. Para ela, o posto é suficente. Ser rainha de bateria não está nos planos.

– Tem de ser uma escolha da comunidade, uma coisa que você esteja presente na comunidade. É muita prepotência achar que um dia eu possa ser rainha. Estou muito feliz, gratificada, já é uma grande responsabilidade. Está muito bom, é uma grande honra – argumentou.

Paixão antiga

Wanessa torce pela verde e branco de Padre Miguel há muitos carnavais.

– A Mocidade é minha escola de coração desde que aprendi a gostar de Carnaval. Eu vi a Mocidade e virei fã. Ela foi campeã no ano em que assisti. Tinha Adão e Eva nus. Achei emocionante, começou a usar tecnologia, achei ousada. E a bateria é uma coisa de louco. Foi nesse ano que conheci o Carnaval e fiquei apaixonada. A partir daí, passei a seguir a escola – recorda Wanessa.

Ela costuma ser pé-quente quando desfila por uma escola: já foi campeã no Rio e em São Paulo. A expectativa é repetir o mesmo desempenho com a escola do coração.

– Eu vim no chão com 14 anos, na Vai-Vai, era uma ala de passistas, eu era muito nova, faz muito tempo. A escola foi campeã. Já desfilei pela Beija-Flor um ano, em carro, e a escola foi campeã. No ano passado, com a Imperatriz, no carro, ficamos entre as seis. Agora é a primeira vez no chão como musa. Estou superansiosa. É uma responsabilidade grande – declarou, confiante na Mocidade:

– O enredo é lindo, o samba é lindo. Vi um pouco do barracão, o que está acontecendo. Vai ficar muito lindo. Será um desfile emocionante.