Saiu fora! Mel Brito não é mais rainha de bateria da Caprichosos: ‘Me senti usada’

Por João Paulo Saconi

A Caprichosos de Pilares pode até ter acertado os ponteiros na produção das fantasias, que estão prontas a pouco menos de 20 dias para o Carnaval. Mas nem tudo é motivo de festa pelas bandas de Pilares.

Mel Brito, que havia sido convidada para retomar o posto de rainha de bateria, decidiu neste domingo, 5, que não vai mais participar do desfile deste ano. Segundo a sambista, o desligamento é por causa da disputa política que envolve os bastidores da agremiação, atualmente comandada por um grupo de lideranças: Lee Santana, Sidney de Pilares, Jorge 101, Adélia Rodrigues, Tia Maria e Fábio Caprichosos

– Convidada para voltar à escola, fui com o coração aberto e empolgação. Recebi uma proposta e concordei com aquilo. Mudaram o jeito de trabalhar, não tava me agradando e acabou afetando até minha saúde. Estava ficando com estresse e enxaqueca por problemas e mais problemas. Como diz o ditado: ‘Você tem que aprender a se levantar da mesa quando o amor não está mais sendo servido’. É hora de levantar – declarou Mel, que já tinha aprontado a fantasia, que custou R$ 32 mil reais (R$ 20 mil desse valor, que ela gastaria em penas e plumas, ela não desembolsou, por ter recebido ajuda de amigos de um ateliê).

Mel Brito não é mais rainha da Caprichosos de Pilares | Foto: Divulgação
Saída havia sido cogitada em novembro

Os problemas entre Mel e a direção da Caprichosos começaram em novembro do ano passado, um mês após o anúncio de que ela reassumiria o posto. A primeira reunião da qual participou fez a então rainha notar um desvio de finalidade nas conversas, que deveriam tratar sobre a festa de coroação e maneiras de ajudar a agremiação, que tem atravessado uma maré de dificuldades.

– As pessoas se corrompem por causa de dinheiro. Como a escola tá numa situação delicada, fui convencida a participar de uma reunião que rainha nenhuma participaria, entre a direção e futuros interessados em ajudar a escola financeiramente. Disseram que eu era como um cartão de visitas, uma força a mais para a escola. Achei uma coisa meio combinada e fui me impondo, dizendo que estava lá pela escola e que não queria tomar partido. Me senti usada. Fui entendendo ao longo dessa caminhada que queriam me usar e não conseguiram – explica Mel, que após o encontro teria sido convidada por um membro da comissão de carnaval para uma conversa informal sobre o mesmo tema, convite do qual a beldade diz ter declinado.

Questões políticas foram a principal causa da saída de Mel | Foto: Eduardo Hollanda/Divulgação
Após o episódio, Mel pensou em abandonar a coroa antes mesmo de recebê-la. Foi aconselhada por familiares a esfriar a cabeça, recebeu pedidos de desculpas de dirigentes e acabou aceitando ficar na escola.

– Fiquei desesperada, triste, decepcionada. O interesse final era arranjar dinheiro de qualquer jeito pra escola. A minha festa de coroação foi às escuras. Não teve patrocínio porque não aceitei nada. Foi com muito sacrifício e luta, a própria comissão (de carnaval) batalhou por ela. A minha vida nunca foi um mar de rosas e dinheiro nenhum vai me corromper – desabafa Mel, que chegou a oferecer à atual diretoria da escola vender o posto de rainha para ajudar nas contas.

Ações do marido, ex-presidente da escola, também motivaram despedida

A presença de Mel na escola e uma possível volta do marido Paulo de Almeida, que é ex-presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) e da Caprichosos, também ajudaram a piorar a situação nos bastidores da azul e branco. De acordo com a agora ex-majestade da bateria “Venenosa”, o companheiro não quer voltar a fazer parte da agremiação, presidida por ele entre 2005 e 2011. Mas Paulo teria uma soberania em relação aos títulos de sócios da Caprichosos, o que desespertaria grande interesse da atual diretoria.

– O Paulo é detentor da maior parte dos títulos da escola. Acredito que eles tenham carinho por mim, mas pensam que, tendo a Mel, eles têm o Paulo. O Paulo tem a individualidade dele, nunca me meti nas coisas políticas. Eu briguei com ele pra poder voltar, mas ele não quer voltar e faz o que quiser com os títulos beneméritos. A proposta era resgatar as pessoas que amam a escola pra poder ajudá-la. Agora, aceitaram um novo grupo com o qual eu não concordo politicamente e nem com o caminho que a escola poderia vir a tomar pra poder ajudar – completa Mel, sem deixar de demonstrar preocupação com os segmentos da instituição e principalmente com os ritmistas que liderava ao lado do mestre Alexandre.

Mel posa ao lado dos rimistas da bateria “Venenosa” | Foto: Reprodução/Facebook
Enquanto Mel segue como musa da Paraíso do Tuiuti, no Grupo Especial carioca, a Caprichosos de Pilares terá de eleger uma nova majestade até a Terça-feira de Carnaval, quando desfila pela Série B na Estrada Intendente Magalhães, no bairro do Campinho, Zona Norte do Rio de Janeiro.

*Foto de capa: Eduardo Hollanda/Divulgação

Leia também!

Crise! Pra ajudar escola, rainha de bateria coloca posto à venda

Fora da Sapucaí, Caprichosos perde mais pontos antes de desfilar no Grupo B

De boa! Ex-presidente da Liesa aceitou mulher virar musa: ‘Confio no meu taco’