Por Redação

Já é certo que a Grande Rio terá um time completamente diferente para o Carnaval 2019. Após perder o intérprete Emerson Dias, que foi pro Salgueiro, e dispensar o mestre Thiago Diogo, a porta-bandeira Verônica Lima e o diretor de carnaval Dudu Azevedo, agora a tricolor fica sem o casal de coreógrafos Priscilla Mota e Rodrigo Negri. A decisão foi tomada por eles dois na noite desta quarta-feira, 7.

Priscilla Mota e Rodrigo Negri deixam a Grande Rio – Foto: Irapuã Jeferson

Em quatro carnavais pela escola de Duque de Caxias, a dupla perdeu o primeiro décimo nesta temporada. Até 2018, eles defendiam uma escrita de oito anos sem sofrer nenhuma penalidade dos jurados, considerando os descartes. Rodrigo e Priscilla deixaram uma carta de despedida, contando sobre os bons momentos que viveram na agremiação:

“Querida Grande Rio,

Depois de quatro anos de dedicação e comprometimento à escola que nos recebeu de braços abertos, estamos aqui encerrando esse ciclo, que foi muito importante pra nós!

Aqui, deixamos toda nossa gratidão a cada pessoa que nos ajudou na nossa caminhada… Da portaria, passando pelos nossos amigos e parceiros do barracão… Não vamos citar ninguém, pois são muitos, e todos sabem a importância e o carinho que nós trocamos todos esses anos, com todos os segmentos que representam com garra e amor a “Nação Caxiense”.

Agradecemos especialmente aos presidentes Leandrinho, Jayder, Helinho e Perácio, que nunca mediram esforços para realizar nossos sonhos artísticos!!!

Desejamos muito boa sorte nessa nova etapa, mas neste momento vamos traçar caminhos diferentes.

Fizemos muitos amigos, e isso fica pra sempre!!!

Em nome da nossa equipe,

Muito Obrigado, Grande Rio!!”

– Não temos pressa em fechar com nenhuma escola no momento, vamos tirar um tempo pra descansar – declarou o casal ao Sambarazzo.

Agora no mercado, a dupla, das mais valorizadas da festa, deu o ‘start’ na revolução das comissões de frente do Carnaval do Rio de Janeiro. A partir da inesquecível troca de roupa no “É segredo”, da Unidos da Tijuca, em 2010, o quesito de abertura ganhou asas cada vez mais espetaculosas e passaram a se apresentar como um dos momentos mais aguardados dos desfiles da Marquês de Sapucaí. Com mais modernidade, recursos, e, eventualmente alguma pirotecnia, diversos coreógrafos da festa têm surpreendido e se superado a cada ano, mas essa nova linguagem pegou na veia e virou tendência com Rodrigo e Priscilla há oito anos.

Desde então, eles conseguiram arrancar todos os 10 do júri em 2010, 2011, 2012, 2015 e 2016. Em 2013, 2014 e 2017, os dois atingiram os 30 pontos, nota máxima regulamentar. Neste período, os coreógrafos conseguiram 33 avaliações máximas, em 38 possíveis. Um aproveitamento de 86% de notas 10.

 

Comissão de 2010 fez história e mexeu a Sapucaí como nunca – Foto: Riotur
Em 2011, eles repetiram a dose e deram o impacto que a Unidos da Tijuca precisava logo na abertura do desfile – Foto: Alexandre Macieira/Riotur

A mola roubou a cena no carnaval tijucano campeão em 2012 – Foto: Rafael Moraes/Riotur
No enredo sobre a Alemanha, O Deus Thor era o personagem principal, e os martelos que flutuavam intrigaram o povo – Foto: Patrícia Santos/Riotur
Acelerando com Ayrton Senna e ainda com a Tijuca, a dupla levou um carro de F1 pra Avenida – Foto: Fernando Maia/Riotur
Na estreia pela Grande Rio, a dupla encantou público, júri e especialistas com cenografia, figurinos, efeitos e dança perfeitos – Foto: Gabriel Santos/Riotur
Assim como o Rei, o casal foi 10 – em todos os jurados – em 2016 – Foto: Tatá Barreto/Riotur
A comissão da Grande Rio levantou poeira em 2017, com o auxílio luxuoso da baiana Ivete Sangalo, enredo da tricolor na ocasião – Foto: Fernando Grilli/Riotur

Ao velho guerreiro Chacrinha se dedicou o último ato de Priscilla Mota e Rodrigo Negri na Grande Rio – Foto: Irapuã Jeferson

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

+ 5 = 12