Corte de meio milhão! Presidentes do Especial criticam possível redução de verba da prefeitura

Por Redação 

Presidentes das escolas de samba do Grupo Especial estão surpresos com a informação de que a subvenção para o Carnaval 2019 pode ser reduzida pela metade em comparação à temporada passada. Em publicação no Diário Oficial desta quinta-feira, 6, a Prefeitura do Rio autoriza o pagamento de apenas R$ 500 mil para cada uma das 14 agremiações. Até então, o acordo seria R$ 1 milhão para cada uma, dizem dirigentes.

Vice-presidente da Mocidade Independente de Padre Miguel, Rodrigo Pacheco afirma que os líderes das escolas não foram informados sobre a possível redução.

Providências! Rodrigo Pacheco afirmou que dirigentes irão se reunir em plenária emergencial na sede da Liesa – Foto: Arquivo

– Em momento algum foi falado que seriam R$ 500 mil. Nunca existiu essa informação. A prefeitura iria dar R$ 1 milhão, com mais R$ 500 mil da Uber. Isso era dado como certo. Como a Uber saiu, restou R$ 1 milhão. Como que agora cai só pra R$ 500 mil? É um descaso total, uma falta de respeito – reclama Pacheco.

O dirigente contou ao Sambarazzo que na próxima semana haverá plenária emergencial na sede da Liesa, responsável pelos desfiles da elite da festa. Em pauta, justamente o apoio da prefeitura.

Presidente da São Clemente, Renato Almeida Gomes alerta que não terá como realizar o desfile, caso o corte para cada uma das escolas do Especial seja confirmado.

Renatinho não sabe como fará desfile, caso novo valor seja confirmado pela Prefeitura – Foto: Rafael Arantes

– Não sei de onde tirar dinheiro. A São Clemente nunca deveu ninguém. Nao sei como vou fazer. Eles (prefeitura) falaram uma coisa e agora é outra? Acabou com a São Clemente isso. Eu sou dono de um food truck de pão com linguiça. Não tenho recursos – argumenta Renatinho.

“Cada dia uma surpresa nova”, diz presidente da Portela

Luis Carlos Magalhães, atual comandante da azul e branco de Madureira, foi outro a atacar a possível diminuição do aporte da prefeitura. Por telefone, ele ironizou e perguntou qual seria a surpresa da semana que vem.

Magalhães ironizou nova situação das escolas de samba do Rio – Foto: Arquivo

– É um absurdo essa situação do Carnaval. Não sabemos nunca o que vai acontecer. Como se planejar diante disso? É uma informação nova toda semana. Cada dia uma realidade diferente. Até a semana passada era R$ 1 milhão pra cada escola. Agora estão dizendo que metade disso estava vinculado ao Uber. Mas o Uber era fora disso. Cada dia uma surpresa nova. Quero saber qual vai ser a da semana que vem – disparou Magalhães.

A Riotur afirma que somente os R$ 500 mil para cada escola do Grupo Especial estão garantidos – o pagamento da primeira parcela acontece na próxima semana -, mas que o presidente da empresa de turismo do Rio, Marcelo Alves, ainda tenta encontrar alguma empresa para substituir o patrocínio da Uber. A gigante na área de transporte por aplicativo já havia assinado contrato com a Riotur, mas acabou não confirmando o que havia sido tratado.

A empresa iria financiar os desfiles dos grupos de Acesso e ajudar financeiramente as escolas do Grupo Especial com uma verba de R$ 500 mil para cada agremiação.

No ano passado, a prefeitura de Crivella já tinha reduzido em 50% a verba destinada ao Grupo Especial – Foto: Arquivo

*Foto de capa: Arquivo