Cria da comunidade, Kamila Reis é coroada rainha de bateria da Porto da Pedra

Por Redação

A dona dos olhares da comunidade da Porto da Pedra, em São Gonçalo (município da região metropolitana do Rio), tinha nome e sobrenome durante a tarde do último sábado, 10: Kamila Reis, a nova rainha de bateria da escola. Nascida e criada nas proximidades da quadra, a mais nova majestade do Carnaval brilhou durante a própria festa de coroação, embalada ao som dos ritmistas da “Ritmo Feroz”, comandados por mestre Pablo, e também pelos cantores Toninho Geraes e Xande de Pilares.

Apesar da trilha sonora sob responsabilidade do time de sucesso e da lista VIP de convidados, nada roubou os holofotes de Kamila. Mesmo vivendo há nove anos em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, a gata mostrou com naturalidade que as raízes com o povo gonçalense nunca ficaram para trás.

Após entrar no palco acompanhada por crianças que participam de um projeto social “Filhos de Baobá”, da Penha, na Zona Norte carioca, ela aproveitou a companhia da garotada para protagonizar um número de dança do ventre e samba, ritmos nos quais é praticamente especialista.

Cada detalhe foi acompanhado de perto pelo comentarista Milton Cunha; pelos presidentes executivo e de honra da Viradouro, Marcelinho Calil e Marcelo Calil; pelo ator Antonio Pitanga, homenageado pelo enredo da Porto para 2019; pelas rainhas Bianca Monteiro (da Portela), Caroline Marins (da Paraíso do Tuiuti) e Theba Pitylla (da paulistana Império de Casa Verde) e pelos representantes dos principais segmentos da vermelho e branco que tem o tigre como símbolo, liderados pelo presidente Fábio Montebelo.

Prestigiada por Milton Cunha (que apresentou a festa), pelos presidentes executivo e de honra da Viradouro, Marcelinho Calil e Marcelo Calil, e por rainhas do Rio e de São Paulo, Kamila Reis foi coroada rainha de bateria da Porto da Pedra ao lado de crianças do projeto social da vermelho e branco da Série A do Carnaval | Fotos: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Discurso exaltou “democracia do samba”

Além da apresentação muito aplaudida — e dos três belos figurinos que utilizou ao longo do evento — Kamila também caprichou no discurso. As palavras, ditas logo após receber a faixa e a coroa real das mãos da mãe e do irmão (Zelina e Alex Reis), emocionaram admiradores dela e da escola.

— Gosto de muitas coisas no universo do samba, mas uma me chama muita atenção: o convívio de pessoas tão distintas no mesmo ambiente. Isso é lindo, democrático, viciante. O samba não dá brechas para que o preconceito se instale. Aqui, o negro é aplaudido e exaltado. O homossexual não é apontado. O estrangeiro é recebido de braços abertos. A população indígena é homenageada. As travestis são destaques. O pobre e o rico caminham lado a lado — afirmou a nova ocupante do trono, que também é destaque da União da Ilha.

‘Tô aqui para aprender, para honrar o nome desta escola brilhante, para enaltecer a mulher. Para mostrar o mundo que a carne mais barata do mercado nunca mais será a carne negra’, disse Kamila ao finalizar o discurso | Foto: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Elogios à alteza

Dona de uma lista de atributos positivos destacados recentemente por mestre Pablo (o comandante da bateria da Porto da Pedra diz que ela “tem samba no pé, é bonita, simpática e carismática”), Kamila ganhou elogios de um convidado muito especial. Tema do enredo da agremiação para o ano que vem, o ator Antonio Pitanga a conheceu durante a comemoração e disse ao Sambarazzo que acredita na vocação da rainha para fazer bonito na Marquês de Sapucaí.

— A Kamila mostra que tem inteligência e muita cultura, além da beleza. Ela vem de Dubai, onde investiu numa mistura da cultura de lá com a cultura brasileira. Ela traz pra cá uma bagagem de vida. É nascida em São Gonçalo e leva o mais belo daqui pra lá. É autêntica e merecedora de ser rainha de uma bateria. Tem no coração a Porto da Pedra e uma beleza ímpar. Não é uma pessoa sem relação com a vida e os acontecimentos da comunidade e do Rio. Sabe da questão da mulher, do negro, da Marielle (Franco, vereadora assassinada). É apta, uma das mais preparadas — disse o artista de 79 anos, que chegou a arriscar passos de samba ao lado da beldade.

Pra quem você tira o chapéu? Antonio Pitanga, enredo da Porto da Pedra (“Antonio Pitanga, um negro em movimento”) rasga elogios para Kamila Reis, nova rainha de bateria da escola | Fotos: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Amigo de Kamila, Milton Cunha apresentou a coroação e foi o responsável por conduzi-la durante a cerimônia. Ele também fez questão de destacar que acredita que ela serve como exemplo para as meninas da comunidade que almejam um dia chegar ao posto:

— É lindo ver a emoção da menina gonçalense que nasceu humilde na Praça do João e triunfou em Dubai. Cada vez que uma garota de comunidade ascende a este posto, as crianças são inspiradas a sonhar em busca de suas vontades. Sonhem, estudem, preparem-se! É lindo ser sambista de comunidade! Salve o artista popular!

Veja mais fotos da coroação (por Irapuã Jeferson)!

Leia mais!

Uma tigresa dessas, bicho! Rainha da Porto da Pedra posa com corpo pintado