Dívida do Salgueiro seria superior a R$ 3 milhões: ‘Perto da falência’, diz novo presidente

Por Redação

Enquanto as escolas de samba suam para tentar fazer com que a Prefeitura do Rio desista de cortar 50% dos recursos financeiros destinados ao Carnaval, a nova gestão do Salgueiro está preocupada não só em preparar o desfile de 2019 como também em sanar uma dívida acumulada que chegaria a mais de R$ 3 milhões. O presidente André Vaz, que garante ter herdado o déficit de Regina Celi – a ex-dirigente afastada judicialmente na semana passada -, cobrou explicações numa coletiva de imprensa realizada na noite desta terça, 18,

— Queria que a Regina viesse dar uma coletiva e explicasse ao salgueirense onde ela colocou o dinheiro. Se ela diz que a escola não tá no vermelho, pode marcar uma coletiva e mostrar que tá tudo quitado. Não tô acusando ninguém de roubo, mas de má gestão eu tô — disparou Vaz, após destacar que só no Banco Bradesco, sem considerar outros credores, a conta está negativa em R$ 550 mil.

Entre as outras pendências que encorpam o montante total, estariam R$ 1,1 milhão devidos à loja Babado da Folia (de materiais especializados), R$ 130 mil para uma empresa fornecedora de ferro, outros R$ 30 mil para uma especializada em arames. Há ainda, na folha de pagamentos não realizados apresentada pelo novo mandachuva salgueirense, gastos com sapatos, camisas, fogos, gelo, gerador de energia elétrica e com os equipamentos de som da quadra da rua Silva Telles, na Tijuca.

Ainda não há informações sobre a existência de ações trabalhistas movidas contra a agremiação, mas segundo Vaz há funcionários sem receber salários (apenas cerca de 10% da equipe estaria com o pagamento regularizado).

Rodeado pelo vice, Joaquim Cruz, e pelo casal de mestre-sala e porta-bandeira Sidclei Santos e Marcella Alves, André Vaz falou pela primeira vez com a imprensa sobre a situação que encontrou após assumir o Salgueiro na última sexta, 14 | Fotos: Sambarazzo

‘Quem traiu o salgueirense foi ela (Regina)’

O novo mandatário da “Academia do Samba” aproveitou o encontro com jornalistas para responder um texto publicado nas redes sociais por Regina na semana passada. A mensagem dizia que a chegada da Chapa 2, adversária política da antiga administração, foi um golpe iniciado por traições de antigos membros da situação. No discurso, André Vaz inverteu a retórica e acusou a ex-presidente de ter traído a agremiação:

— Com todo respeito, quem traiu o estatuto (que rege a escola) e o salgueirense foi ela (Regina Celi). Ela fala que o carnaval tá pronto, mas não tem nada pronto. Temos contas a pagar. Se dizia mãe, guerreira… Infelizmente, a máscara caiu — afirmou.

Regina Celi foi afastada da presidência do Salgueiro após decisão judicial no início de dezembro | Foto: Thiago Cardoso/Divulgação

Apesar de ter dito que não acredita que as dívidas foram contraídas para prejudicar os novos gestores, Vaz listou itens que teriam sido levados das dependências da vermelho e branco propositalmente antes de sua posse.

— Levaram microfone, cerveja, roupa da boutique. E ela vem falar de golpe? — questionou.

‘O barracão está parado’

Ao se referir à produção de alegorias e fantasias para o próximo desfile do Salgueiro, o presidente disse que a situação também é assustadora. Os materiais para a confecção das peças e dos adereços, sob o olhar do carnavalesco Alex de Souza, só teriam chegado nas últimas semanas. Entre os funcionários, a maioria tem salários a receber, conforme relatou André Vaz.

— Administrativamente, o Salgueiro estava perto da falência. O barracão do Salgueiro está parado, quase sem material. Nas últimas semanas foi que chegou material e estrutura pros funcionários, que estão com salários atrasados. Queremos que eles tenham pelo menos um Natal digno — declarou Vaz, frisando que o atraso nos pagamentos atinge também quem trabalha na quadra e na Vila Olímpica.

Vídeo publicado na web em 21 de novembro, há um mês, mostrava praticamente todas as alegorias do Salgueiro apenas na fase de montagem das ferragens. A ex-presidente Regina Celi divulgou hoje, 19, novas imagens em que os trabalhos aparecem mais adiantados | Foto: Reprodução/Youtube

Também presente na coletiva, Alex defendeu que há tempo para fazer o carnaval e que, além dos quesitos visuais ainda não garantidos, a escola conta com outras qualidades que podem ajudar a garantir notas máximas diante do júri.

— Já passei por experiências em outras escolas, como incêndios, e a gente não tá em situação drástica. Mas só temos dois meses pra fazer, então a palavra de ordem é trabalhar, trabalhar, trabalhar. Fora essa parte plástica, a gente conta com excelentes samba, comunidade e bateria — classificou o artista, que assinará o espetáculo salgueirense pelo segundo ano consecutivo.

Serginho do Porto está de volta ao carro de som

O evento voltado para a imprensa foi aproveitado por André Vaz para anunciar o retorno de Serginho do Porto ao carro de som do Salgueiro. Dentro da própria escola, o cantor já tinha feito parceria com Quinho, que foi recontratado no início da semana para cantar com Emerson Dias, o único responsável pelos microfones na antiga gestão. Agora, Serginho será do time de apoio dos dois colegas.

Serginho do Porto, uma das vozes do Salgueiro entre 2011 e 2017, vai reforçar o carro de som da vermelho e branco ao lado de Emerson Dias e Quinho | Fotos: Sambarazzo

Time de cantores: “Vaidade todos temos”, diz Emerson Dias

Ao falar pela primeira vez sobre os novos parceiros, Emerson destacou que o trabalho em equipe funciona como um casamento em que todas as partes precisam “ceder de um lado ou de outro” em nome da escola. Ele também mencionou — como já tinha feito o veterano — que havia cantado junto de Quinho no próprio Salgueiro e na Grande Rio, onde ficou por cinco temporadas.

— Quis o destino que nossa história se encontrasse. Deixei claro pro André que eu vim pra ser o cantor da escola, nunca participei de processo eleitoral. Não saí arranhado de um lado e nem de outro. As pessoas que eu trouxe ficam na escola e eu fiquei feliz quando anunciaram isso pra mim. Agora, temos a chegada do Quinho e do Serginho do Porto, que estão voltando. Eu vim com o objetivo de fazer um baita Carnaval em 2019. Será como um casamento, cada um tem que ceder de um lado ou de outro. Vaidade todos temos e da nossa parte será a mínima possível — explicou o músico.

‘Em nenhum momento falamos que o casal Pessanha teria chance’

O casal de mestre-sala e porta-bandeira Sidclei Santos e Marcella Alves falou durante a coletiva sobre o retorno à condução do pavilhão salgueirense após cinco meses desligado da agremiação. Hoje grávida de nove meses, ela havia sido dispensada por Regina Celi na metade da gestação e foi seguida pelo parceiro de dança. Ambos foram sucedidos pelos irmãos Jackeline e Vinícius Pessanha, dispensados pela Chapa 2 na última segunda, 17.

— Em nenhum momento a Chapa 2 falou que o casal Pessanha teria chance na nossa gestão. Expliquei pra ela (Jackeline) que os cargos do Salgueiro são da Marcella e do Sidclei. Não sou só eu que acho isso. Se perguntar, a escola toda vai ser unânime. Eu tô tranquilo porque não enganei ninguém — declarou André Vaz sobre a demissão da dupla, que reclamou sobre o episódio por não ter os meses de ensaio respeitados.

Marcella Alves e Sidclei Santos estão de volta ao Salgueiro. A gestação dela, motivo pelo qual foi demitida anteriormente (a ex-presidente Regina Celi queria afastá-la do cargo por não acreditar que seria possível manter a rotina de ensaios) termina em poucos dias | Foto: Sambarazzo

Para Marcella, que faz dupla com Sidclei no Salgueiro há seis anos, os dois casais (o atual e o anterior) foram prejudicados pelas escolhas da administração anterior.

— Pra quem diz: ‘A Marcella tá apoiando a Chapa 2 porque foi dispensada do Salgueiro’, digo que não. Apoio o salgueiro. A Jackie e o Vinícius são tão vítimas quanto nós. Eles foram convidados quando ela (Regina) já estava inelegível. Eu e Sid apostamos na Justiça, recusamos alguns convites já que não queríamos tirar o lugar de ninguém, e não tiramos porque esse lugar é nosso por direito — disse a dançarina, que seguiu ensaiando em dupla, com direito à coreografia personalizada para o samba-enredo sobre Xangô, tema da escola, mesmo se ter certeza se iria desfilar.

O mestre-sala foi mais sucinto ao resumir a saudade que sentiu da “Academia do Samba”, onde dança desde 2011:

— A saída machucou, mas eu tinha certeza que ia voltar.

‘Marcão disse que a Chapa 2 não tem caráter’

Mestre Marcão, que deixou o Salgueiro na última sexta, 14, após 15 anos de serviços prestados à bateria “Furiosa”, foi mencionado por André Vaz durante o encontro com profissionais da mídia. Segundo o dirigente, os dois têm um laço de amizade, mas o ex-líder dos ritmistas teria tomado partido de Regina Celi sem deixar margem para que trabalhasse com o grupo atual.

— Ele era funcionário do Salgueiro e recebe pro Salgueiro. Se gostar mais da Regina, é problema de cada um. Mas de um tempo pra cá começou a falar mal da Chapa 2, disse que não tem caráter. Quando a gente assume uma gestão, tem que ter pessoas confiáveis pra acreditar e elas precisam acreditar na gente. Chegou a hora da mudança, como foi com mestre Louro (o antecessor), foi com Marcão, amanhã vai ser comigo — sustentou Vaz, que contratou os jovens irmãos Gustavo e Guilherme, pratas da casa, para preencher a vaga.

Mestre Marcão, que deixou o Salgueiro por discordar da posse da Chapa 2, foi mencionado na coletiva assim como os novos mestres Guilherme e Gustavo, para quem André está olhando na foto acima | Fotos: Sambarazzo e Rafael Arantes

‘Respeita a minha história’, pede Regina Celi

Após a publicação desta reportagem, a ex-presidente Regina Celi procurou o Sambarazzo para enviar uma nota de esclarecimento sobre as declarações de André Vaz na coletiva de imprensa. Ela também novas imagens do barracão do Salgueiro, mais adiantado do que o registro do dia 21 de novembro, extraído do Youtube. As fotos foram anexadas acima e a resposta segue abaixo, na íntegra.

Mentira tem perna curta!
Respeito é bom e eu gosto! Respeita a minha história, respeita o que eu conquistei pelo Salgueiro, respeita esse pavilhão, e enquanto estiver por aí procure pelo menos manter tudo o que conquistamos.

Não tive berço, mas aprendi valores, mentir é coisa de gente baixa, mostrar foto do abre-alas antiga sendo que o mesmo já está na Madeira com escultura e fazendo decoração, é querer enganar o salgueirense.
Humildade é saber o vosso despreparo, e se quiserem perguntar como se faz, estarei pronta pra ensinar, Porque o Salgueiro está em 1o lugar, e vcs passarão muito rápido.

Regina Celi”