Renato Lage elogia carnavalesco campeão, mas avisa: ‘Vou botar pra f…’

Por Luiz Felippe Reis

Há nove anos seguidos voltando no Sábado das Campeãs, mas há sete sem conquistar o campeonato, o Salgueiro vai para mais uma temporada atrás do 10° título da galeria. E pra quem está tão acostumado às melhores posições, a quarta colocação deste ano não deixou ninguém na “Academia” radiante.

Em 2016, a vermelho e branco executou perfeitamente sete quesitos, e curiosamente os dois que tiraram décimos do Salgueiro são os de responsabilidade da estrela da companhia e um dos carnavalescos mais bem pagos de toda a festa, o renomado Renato Lage. Fantasias (-0,2) e Alegorias e Adereços (-0,3) não permitiram ao artista o pentacampeonato no Carnaval. Durante o desfile, ele chegou a prever que de fato perderia pontos na Quarta-feira de Cinzas.

Foto: Irapuã Jeferson
Ainda na Avenida, o carnavalesco Renato Lage já previa as penalidades e chegou a dizer: “O jurado caneta, né?”, após perceber uma de suas alegorias passando sem iluminação pelas cabines de julgadores: “Não tô achando que a gente foi injustiçado, não” – Foto: Irapuã Jeferson

– A gente perdeu um décimo em cada jurado, infelizmente. O carro passou apagado, né? A gente foi vendido numa questão técnica que não tem nada a ver com a concepção. Acho que tem que ser revista essa penalização que nada tem a ver com a parte artística. Em Fantasias percebi algumas situações. Infelizmente a gente entra com 10, e o jurado vai tirando ponto. A execução é fundamental. Não tô achando que a gente foi injustiçado, não. Pode ser que fiquei a mercê de um problema técnico, ou talvez fiquei a mercê de falta de inspiração mesmo. Nem sempre dá pra pegar na veia – confessa Renato Lage, que desenvolve o carnaval do Salgueiro ao lado da mulher, a carnavalesca Márcia Lage.

Com a autoridade de um tetracampeão da Sapucaí, Renato (campeão pela Mocidade em 1990, 1991 e 1996; e pelo Salgueiro em 2009) mostra a dignidade dos campeões ao reconhecer os méritos da vitória mangueirense no Carnaval 2016.

– Ganhou uma escola que mereceu ganhar, até pra dar uma refrigeração no Carnaval. E em 100 anos de samba não teria escola de samba melhor que a Mangueira pra ganhar o Carnaval. O Leandro (Vieira, carnavalesco da Mangueira) é um menino de talento, vinha fazendo trabalhos maravilhosos pra outros carnavalescos. Eu faço parte dessa tocada nele de ‘Tem que botar a tua cara, fazer e tal’. Um menino muito bacana, educado e talentoso fundamentalmente – elogia Renato, que já tem contrato acertado com a vermelho e branco para o próximo ano.

Renato Lage 2
No último sábado, 20, Renato Lage garantiu o Estandarte de Ouro na categoria “Melhor Enredo”. O prêmio é oferecido pelo Jornal O Globo e exalta os melhores da festa – Foto: Irapuã Jeferson

Aliás, já que mencionou Leandro Vieira, o campeão estreante da última temporada, Renato vai além e compara a trajetória do carnavalesco mangueirense com a sua própria história e aproveita para exaltar o perfil mais centralizador do artista mais jovem.

Talentosos e campeões. É, parece que Renato e Leandro têm mais coisas em comum.

– Ele tem uma trajetória semelhante à minha. Quando fui pra Mocidade, eu tinha um pouquinho mais de idade que ele hoje. Temos coisas em comum nessa trajetória. Eu não esperava ganhar no primeiro ano, ele também, eu ganhei Medalha Tiradentes, ele também ganhou. Acho que ele é um cara genuíno, ele gosta de fazer as coisas dele, fazer tudo, que nem eu. Hoje em dia, tá complicado esse negócio. Tem três caras que desenham os figurinos, três caras que desenham as alegorias, tem três caras que escrevem enredo. Pô, eu não sou dessa época. O cara tem que fazer tudo. E eu me sinto feliz de ser reconhecido por ele, de que eu e Rosa somos pilares da sua trajetória, achei bacana. Ele merece – sentencia o experiente carnavalesco de 66 anos.

Leandro Vieira, o carnavalesco campeão de 2016 I Foto: Sambarazzo
Leandro Vieira, o carnavalesco campeão de 2016 – Foto: Sambarazzo

Mas Leandro Vieira, além de inspirar os mais sinceros elogios de Renato Lage, também cutucou a onça com vara curta. Acostumado às vitórias, o carnavalesco do Salgueiro promete arrebentar em 2017.

– Vou ter que botar pra foder agora. É bom quando acontece isso, motiva ainda mais, né? – finaliza Renato Lage, que está no Salgueiro desde 2003 e foi campeão em 2009, quatro vezes vice (2008, 2012, 2014 e 2015) e voltou 11 vezes ao Sábado das Campeãs, que envolve as seis melhores da festa.