Por Redação

Centro das atenções na quadra da Unidos da Tijuca nesta segunda-feira, 10, o ator, diretor, dramaturgo e agora enredo de escola de samba Miguel Falabella conheceu detalhes do que a azul e amarelo tá preparando para o desfile de 2018. É que o trio de carnavalescos – Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo – leu a sinopse do tema intitulado “Um coração urbano: Miguel, arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem”.

O artista, claro, está emocionado pela reverência que recebe de uma das mais importantes escolas do Carnaval carioca.

– Acho que o Brasil tá começando a aprender que o aplauso em vida é muito melhor do que em morte. É a maior homenagem que conheço nesse país, então é uma profunda emoção – disse Falabella ao Sambarazzo, revelando que “O beijo da mulher aranha” e “A partilha” – peça escrita e dirigida por ele – são obras que não podem faltar no roteiro tijucano.

Enredo da Tijuca, Miguel Falabella com o trio de carnavalescos Annik Salmon, Marcus Paulo e Hélcio Paim – Foto: Irapuã Jeferson
Sobre o corte na subvenção municipal em 50%, o ator crê que a resposta à limitação financeira é a criatividade.

– No que eu puder ajudar (a Tijuca), vou ajudar. Carnaval a gente faz com criatividade. A gente vive dessa maneira no Brasil. Um enredo que fala de mim tem que ser um enredo leve, da comédia – resumiu.

Puxando a sardinha para o desfile da escola, Falabella acredita que um enredo falando sobre vida e obra dele dá samba:

– Variado ele é, abrange uma grande parte da cultura dessa cidade durante os 40 anos que venho trabalhando em teatro, televisão, em todas as mídias, escrevendo em jornal, enfim, fui carnavalesco da Império da Tijuca, desfilei por 20 anos ininterruptamente, sou uma pessoa ligada em carnaval.

Miguel Falabella falando aos compositores na mesa com o presidente da escola, Fernando Horta, e outros integrantes do time tijucano – Foto: Irapuã Jeferson
Acostumado ao bastidor do Carnaval, já que foi carnavalesco nos anos 1990, Falabella não tem interesse em voltar ao batente no meio do samba.

– Já me aposentei, disso eu já brinquei – disse Miguel, que foi carnavalesco do Império da Tijuca entre 1993 e 1996.

Os carnavalescos e o protagonista do carnaval tijucano de 2018 posam com Igor Ricardo (de amarelo), jornalista responsável por escrever a sinopse do enredo da escola | Foto: Reprodução/Facebook
Confira a sinopse entregue aos compositores, assinada pelo jornalista Igor Ricardo 

Um Coração Urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem

Presidente: Fernando Horta
Direção de Carnaval: Fernando Costa
Carnavalescos: Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo

Apresentação do enredo

A Unidos da Tijuca pede licença aos deuses das artes para homenagear um dos seus: MIGUEL FALABELLA. Ator, autor, diretor, apresentador, um artista multimídia e um trabalhador incansável, de fé inabalável em sua religiosidade. Com mais de 30 anos de carreira, Miguel se consagrou no campo celeste do humor por suas criações repletas de referências aos dilemas da sociedade brasileira. Por cinco anos, ainda assinou uma coluna semanal no jornal O Globo, intitulada “Um coração urbano”, em que exercitava seu lado observador e impressionista sobre cenas cotidianas na cidade grande. As crônicas, durante sua existência, foram as mais lidas do periódico. Além de todos os ofícios que desempenhou ao longo da carreira, Falabella também se envolveu profundamente com o Carnaval carioca. Foi destaque, carnavalesco, dirigente. É desta forma que os foliões tijucanos se preparam para cantar e engrandecer toda essa trajetória na Marquês de Sapucaí em 2018. O conceito deste enredo, portanto, amarra-se com a carnavalização da história pessoal e profissional do homenageado em uma visão lúdica, e um tanto quanto realista. Inspirem-se sem moderação!

Parte das citações contidas neste enredo são trechos das mais de duzentas publicações que o autor escreveu para O Globo e que, mais tarde, foram compiladas em dois livros.

 

Sinopse:

“Todas as pessoas grandes foram um dia crianças (mas poucas se lembram disso)”
O pequeno príncipe

Memórias. É a partir das lembranças de um garoto que nossa história começa. Era fevereiro. Sentado à beira da Baía de Guanabara, numa pequena Ilha, uma criança abre o livro “O Pequeno Príncipe” e, como em um passe de mágica, se vê dentro do universo criado por Antoine de Saint-Exupéry. Nele, brincadeiras tipicamente suburbanas vão ganhando vida.

“COSTUMAVA IMAGINAR QUE EU ERA UM PEQUENO PRÍNCIPE PERDIDO NAQUELA ILHA,
COMANDANDO MEUS SÚDITOS, QUE ERAM A FAUNA MARINHA QUE ME RODEAVA. ASSIM COMO A NARIZINHO (DE MONTEIRO LOBATO), EU TINHA O MEU REINO DAS ÁGUAS CLARAS”.

Identidade. Ainda dentro do seu próprio imaginário, o já adolescente “pequeno príncipe” se vislumbra com a magia do teatro ao conhecer as peças infantis de Maria Clara Machado. Foi a própria fundadora do Tablado, tradicional escola de Artes Cênicas, quem iniciou a formação artística e profissional do futuro arcanjo das artes.

“TIVE O PRIVILÉGIO DE SER ALUNO DE MARIA CLARA MACHADO. O TABLADO FOI UMA
ESCOLA MARAVILHOSA, POIS NOS ENSINAVA A DISCIPLINA NECESSÁRIA PARA O TEATRO, AO MESMO TEMPO EM QUE EXERCITAVA NOSSA IMAGINAÇÃO. AFINAL, ESTUDÁVAMOS NO MESMO ESPAÇO ONDE NASCERAM “PLUFT”, “A BRUXINHA QUE ERA BOA”, “O CAVALINHO AZUL”, E TANTOS OUTROS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA”.

Graduado. O mundo encantado até então aqui apresentado direciona o jovem ao universo das palavras. Sob influência de sua mãe, professora de literatura francesa, e das inúmeras histórias contadas pelo avô, ele começa a dominar a escrita: como autor, escritor, dramaturgo. É a partir da velocidade de suas emoções que imaginações/pensamentos/percepções começam a se materializar seja no teatro, nos livros ou como colunista.

“A MINHA ESCOLHA PELA FACULDADE DE LETRAS ME PARECEU NATURAL. ACHEI QUE, SE
EU QUERIA VIVER DO PALCO, EU DEVERIA ANTES DE MAIS NADA DOMINAR AS PALAVRAS”.

hUmoR. Mesmo já crescido, nosso grande talento não abandona sua criatividade e goza da vida adulta com muita originalidade na televisão. Correndo dentro de um set de televisão, ele Sai de baixo da saia de uma noiva de Copacabana arrancando aquele beijo com muita salsa e merengue. A confusão está instalada. É um Toma lá, dá cá, mas ninguém consegue segura-lo, até que com um Pé na Cova músicas começam a ecoar…

“SEMPRE QUIS FAZER HUMOR POPULAR. FALAR COM A MINHA GENTE, USANDO O PORTUGUÊS DO COTIDIANO, CRIANDO PERSONAGENS COM QUEM AS PESSOAS PUDESSEM SE CONECTAR.”

Espetáculo. A magnitude da TV acaba remetendo aos grandes cenários vivos dos musicais. O já grande artista também escreve, atua, dirige e (im) exporta sucessos nacionais e estrangeiros que divertem a plateia com suas encenações musicadas. São diversos títulos próprios ou adaptados: O beijo da mulher aranha, a Gaiola das Loucas, Hairspray, O Homem de la mancha, entre outros. Mas, ele quer mais, não quer parar!
“Tijuca, faz esse meu sonho acontecer!”

Loucura. O devaneio está só começando. A barca (e ela não vai virar!) sai da Ilha mágica e parte rumo ao maior teatro a céu aberto do mundo. Lotada de personagens carnavalescos clássicos, ela desbrava o mar colorido da Marquês de Sapucaí, onde todos vão desembarcar e encenar (em proporções apoteóticas) um musical criado pelo maior Arcanjo das artes.

“QUANDO EU ERA MENINO, MEU PAI ME LEVAVA PARA O CENTRO, ME COLOCAVA SENTADO EM SEU CANGOTE, E EU FICAVA ASSISTINDO AO DESFILE DAS GRANDES SOCIEDADES, ENCANTADO COM TUDO AQUILO. ACHO QUE FOI AÍ QUE A NOÇÃO DE ESPETÁCULO BROTOU DENTRO DE MIM”.

Abram-alas que Miguel Falabella vai passar!

Sinopse: Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo
Texto: Igor Ricardo
Agradecimentos: Miguel Falabella, Fernando Costa

Setores:
Abertura – O pequeno príncipe em sua Ilha mágica
1 setor – O vento do teatro é o vento da magia
2 setor – Um coração urbano: o mundo das palavras
3 setor – A máquina de fazer doido: a televisão
4 setor – Os encantos dos musicais
5 setor – Os bacantes carnavalescos

Bibliografia:
Falabella, Miguel. Pequenas Alegrias. Rio de Janeiro: Objetiva, 1993.
Falabella, Miguel. Vivendo em voz alta. Rio de Janeiro: Leya Casa de Cultura, 2011.
Saint-Exupéry, Antoine. O pequeno príncipe. Brasil: Harpercollins, 2015.
Acervo pessoal, Miguel Falabella.
Conversas gravadas, Marcus Paulo. Rio de Janeiro, 02/2016
Conversas gravadas, Marcus Paulo. Rio de Janeiro, 04/2017
Outras informações em <miguelfalabella.com.br>

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

87 − 80 =