Por Redação

Enquanto muita gente discute se o certo é biscoito ou bolacha, o Carnaval de São Paulo deixa a rivalidade com o Rio de Janeiro de lado e aproveita os talentos da Cidade Maravilhosa para dar um ‘up’ no espetáculo do Anhembi. Não é incomum ver caras conhecidas da Sapucaí brilhando na Terra da Garoa.

Entre os carnavalescos, Mauro Quintaes, ex-Tijuca, e André Cezari, ex-Beija-Flor, voltam aos desfiles de sampa. O primeiro na Unidos do Peruche, já o outro acertou com a Independente Tricolor, que acabou de subir para o Grupo Especial. Terceiros colocados no Vai-Vai, Júnior Schall e Alexandre Louzada – que este ano ganhou no Rio com a Mocidade – renovaram com a escola do Bexiga. No ano que vem, Chico Spinosa, que no Rio de Janeiro é da Estácio de Sá, se junta aos dois na equipe.

Outro carnavalesco carioca importante na festa paulistana é Leandro Vieira, campeão pela Mangueira em 2016, e que dividiu assinatura do carnaval da Mocidade Alegre em 2017 com Paulo Brasil, Carlinhos Lopes e Neide Lopes. Os cantores Ito Melodia e Tiganá comandaram o carro de som da “Morada do Samba”.

Componente da comissão da Beija-Flor por 20 anos, Fran Sérgio fechou com a Vila Maria e estreia em São Paulo na temporada que vem.

Praticamente radicado em São Paulo, o carnavalesco Cebola é carioca, mas construiu a carreira pelo Anhembi. Uma passagem não tão feliz na Mocidade Independente de Padre Miguel, em 2009, marcou o reencontro do artista com a Sapucaí. Águia de Ouro, Mancha Verde e Tom Maior fazem parte da trajetória dele.

Outro cara nascido no Rio de Janeiro e que faz grande carreira em Sampa é Jorge Freitas. Ele é hexacampeão em São Paulo, e no Rio comandou as engrenagens artísticas do Arranco do Engenho de Dentro, entre 1995 e 1997, da Vila Isabel, entre 1997 e 1999 e 2003, e na Portela em 2004.

Os carnavalescos Jorge Freitas e Cebola têm carreiras consolidadas em São Paulo

Três intérpretes com currículo extenso em terras fluminenses, Wander Pires, Bruno Ribas e Pixulé também brilham em São Paulo. Wander já vai para o oitavo ano seguido no Carnaval do Anhembi – cinco anos de Vai-Vai e duas temporadas de Tatuapé – agora na Vila Maria.

Bruno ficou sem vaga no Rio de Janeiro, e São Paulo abriu as portas para o talento inquestionável do cantor. Ele, que em 2008 passou pelo Império de Casa Verde, renovou e vai para o segundo ano na Tom Maior.

A Barroca Zona Sul ganhou o grupo 1 da UESP e conquistou uma vaga na principal divisão de acesso do Carnaval paulistano. E foi buscar no Rio de Janeiro o intérprete Pixulé, da Unidos de Padre Miguel, para reforçar o elenco.

Os desfiles do Grupo Especial do Carnaval de São Paulo rolam na Sexta-feira e no Sábado de festa; o grupo de acesso acontece no domingo no Sambódromo do Anhembi.