Faz carão! Máscaras de Fábio Assunção esgotam; Bolsonaro e Moro encalham

Por Ângelo Mathias

Vedetes em muitos carnavais, os políticos estão em baixa nesta temporada. Pelo menos é o que apontam as vendas fracassadas das máscaras de figuras como o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Justiça Sergio Moro. Lojistas do mais popular comércio do Rio de Janeiro, a Saara, no Centro carioca, reclamam do encalhe dos acessórios e já sofrem com o prejuízo – eles se prepararam para uma demanda altamente superior.

— A do Bolsonaro tá saindo num ritmo bem devagar e a do Moro tá meio encalhada — lamentou o vendedor Rafael Silva.

Fábio Assunção mitou e é recordista de vendas. Acessórios com imagem de Jair Bolsonaro e Sergio Moro fracassaram com o público da Saara, no Centro do Rio – Foto: Sambarazzo

Cada representação de rosto famoso sai a R$ 5 nas lojas. Ainda assim, o público não comprou bem a ideia de cair na folia com a cara deles.

Todos querem ser Fábio Assunção

Na contramão das mercadorias alusivas a políticos brasileiros, Fábio Assunção tem tudo para ser o nome do Carnaval 2019 nas ruas. As máscaras do ator, até agora, são as mais procuradas (o estoque esgotou em 48 horas).

— Encomendamos mais 400 unidades do Fábio, não sobrou nenhuma unidade da primeira remessa. Saiu bastante e, mesmo tendo acabado, as pessoas reviram as prateleiras procurando por alguma dele perdida — contou, impressionado, o lojista.

Esgotou em 48 horas! O vendedor Rafael Silva até guardou um exemplar da máscara com o rosto de Fábio Assunção e já correu pra encomendar algumas centenas – Foto: Sambarazzo

A máscara da vez: entenda a popularidade do artista

Este mês, Fábio Assunção virou meme após se manifestar de forma pacífica e altruísta sobre a zoação do hit da banda La Fúria. A música, lançada em julho do ano passado, cita alguns episódios protagonizados pelo ator dos quais, certamente, ninguém se orgulharia:

“Hoje eu vou beber, hoje eu vou ficar loucão / Hoje eu não quero voltar pra minha casa não / Hoje eu vou virar o Fábio Assunção / Hoje eu vou voltar pra casa só se for no camburão…”.

O artista levou na esportiva a “homenagem” e foi além, ao assumir o papel de porta-voz de dependentes químicos: ele acordou com a banda que 100% do lucro gerado através da composição deveriam ser revertidos para instituições que lutem contra a dependência química. A postura do ator repercutiu positivamente.

— Nós não somos super-heróis. Cuide de você e de quem você ama, cuide dos seus amigos nas festas. Seja responsável pelo todo. Lembrem que eu aqui respeito a zoeira, amo a brincadeira, mas quero todo mundo bem, forte, feliz e consciente de seus atos e de sua vida. A luta é essa — declarou.

Modinha: saias de tule também são tendência

Além de Fábio Assunção, roubam a cena no comércio popular as saias de tule. A peça, de tecido leve e transparente, é a sensação da temporada, a medir pelas vendas em diferentes pontos da cidade.

Da Saara ao Mercadão de Madureira, as saias de tule são campeãs de venda – Foto: Sambarazzo

No Mercadão de Madureira, complexo comercial da Zona Norte, por exemplo, a busca é grande.

— A gente vende no atacado mais de 100 caixas por dia, cada uma tem 240 saias de tule — comemorou a vendedora Emília Rodat.

Assim como as máscaras, é possível encontrar um modelo de saia por R$ 5. O tipo mais caro chega a R$ 20.