La Casa de Papel! Bateria da Grande Rio adota máscaras que ganharam fama em série da Netflix

Por Redação

Será como os mascarados ladrões da série “La Casa de Papel”, da Netflix, que os ritmistas da Grande Rio vão dar o ar da graça – e o tom da festa – na temporada de ensaios que a escola vai fazer aos sábados no Clube Monte Líbano, na Lagoa, Zona Sul carioca. Mas o público do evento, que estreia agora, dia 26, não precisa temer os disfarces da galera da “Invocada”. O máximo que os músicos vão roubar do público é muito samba no pé.

Quem garante é o mestre Fabrício Machado, conhecido pela comunidade da tricolor de Duque de Caxias como Fafá, que adianta ao Sambarazzo o que vai rolar nos treinos com a turma que comanda. As apresentações da bateria serão encerradas com os percussionistas vestidos com roupa vermelha (com direito a capuz) e máscara que imita o pintor espanhol Salvador Dalí. Na trama do seriado, é com um visual desses que oito criminosos invadem a Casa da Moeda da Espanha para realizar o assalto mais bem planejado do mundo.

— A ideia surgiu num aniversário infantil, enquanto falávamos sobre o que poderíamos levar de diferente para o público dos ensaios. Apareceu uma pessoa fantasiada dessa maneira e tivemos o ‘estalo’. Adoro a série, já assisti a todos os episódios e tô muito ansioso pela estreia da terceira temporada — conta Fafá, que precisa segurar a ansiedade pra conferir os novos desfechos do seriado: ainda não há data para episódios inéditos entrarem na grade da Netflix.

‘La Casa dos Invocados!’: bateria da Grande Rio vai vestir fantasia inspirada em série do Netflix para apresentações da escola no Clube Monte Líbano; evento marcou a história da tricolor e voltará a ser realizado a partir do próximo sábado, 26 | Foto: Sambarazzo

Figurino será utilizado em apresentações com funk e axé

Os ensaios no palco do Monte Líbano (o mesmo onde acontece a Feijoada do Sambarazzo, em 10 de fevereiro) terão duas versões da turma que dá o ritmo na Grande Rio. Num primeiro momento, entre meia-noite e 1h30 da matina, 30 ritmistas vão tocar os sambas-enredo da escola e obras de outras agremiações do Carnaval carioca. Após os shows da noite, bem mais tarde, a bateria volta com um contingente menor, num espetáculo recheado de surpresas.

— Quando pensarem que vão ver a gente de novo com o terno nas cores da escola, vamos aparecer com as máscaras pra variar o ritmo e tocar outras coisas, como funk e axé. Estaremos num local diferente e falando com um público diferente. Então, é natural que a gente aposte em inovações — justifica o líder do segmento, que apesar de estrear no comando oficial, já era parte da “Invocada” há muitos carnavais e chegou a participar dos tradicionais ensaios no nobre clube por seis temporadas consecutivas, antes de eles serem interrompidos.

O setlist deste primeiro sábadão, 26, fica por conta da própria bateria, do intérprete Neguinho da Beija-Flor e do grupo Sorriso Maroto. A festa começa às 20h e tem ingressos vendidos a partir de R$ 40. A venda é online (clique para comprar).

Fafá, mestre da Grande Rio, conta que rismitas vão fazer pausas no uso das máscaras: ‘Elas têm respirador, mas tá muito quente no Rio’ | Foto: Sambarazzo

Na Avenida, proposta será diferente e mestre dá pistas

No Domingo de Carnaval, quando a Grande Rio será a terceira a passar pela Marquês de Sapucaí, o capricho nas roupas dos percussionistas será o mesmo dos ensaios, mas o tema será completamente diferente.

Fafá revela que, além de ser super leve, a fantasia criada pelos carnavalescos Renato e Márgia Lage lembra uma camuflagem militar, embora não represente um soldado. A dupla de artistas está desenvolvendo o enredo “Quem nunca? Que atire a primeira pedra!”. O tema fala sobre os maus hábitos do brasileiro.

— Acho que é a fantasia mais leve do Grupo Especial! Parece muito que é uma fantasia de oficial do Exército, mas não é, não. Vai ser surpreendente
— promete o mestre, que é prata da casa, tem 27 anos e, quando mais novo, comandou a bateria da escola mirim “Pimpolhos da Grande Rio”.