Lado B! Segunda porta-bandeira de Salgueiro é auxiliar administrativa do Vasco

Defender o pavilhão é uma das missões mais importantes do Carnaval, mas Jackeline Pessanha, primeira porta-bandeira do Paraíso do Tuiuti e segunda do Salgueiro, não se contenta somente com a vida no samba. Aos 28 anos de idade, ela já exercia a profissão de promotora de eventos, tendo a Feijoada do Mestre da Unidos da Tijuca, como seu carro chefe na área. Ex-porta-bandeira da escola do Morro do Borel, a dançarina também é auxiliar administrativa do Vasco da Gama. Mais uma função para a corrida vida da sambista.

Porta-bandeira é auxiliar administrativa do Vasco; Ela comanda sede do Calabouço, que é de responsabilidade de Fernando Horta | Foto: Irapuã Jeferson
Porta-bandeira é auxiliar administrativa do Vasco; Ela comanda sede do Calabouço, que é de responsabilidade de Fernando Horta | Foto: Irapuã Jeferson

Desde julho de 2015 Jack passou a dividir seus horários em mais um compromisso. Além da agenda como produtora de eventos e porta-bandeira, uma nova função surgiu após o convite de Fernando Horta, presidente da Unidos da Tijuca e vice-administrativo do Vasco, após se desligar da escola tijucana.

– Foi um convite feito pelo Fernando Horta logo depois de eu ter entregue o posto de segunda porta-bandeira da Tijuca. Eu faço a produção do pagode do mestre Casagrande há quatro anos e o presidente estava precisando de uma pessoa de confiança para administrar a sede que ele é o responsável e acabou me chamando – contou Jack.

Jackeline cumpre expediente de terça a sábado na sede do Vasco perto do MAM | Foto: Irapuã Jeferson
Jackeline cumpre expediente de terça a sábado na sede do Vasco perto do MAM | Foto: Irapuã Jeferson

Torcedora do Fluminense, a rivalidade nas arquibancadas não é problema para Jackeline, que admite já ter sido conquistada pelo clube da Colina. Sem acompanhar muito a rotina do futebol, a porta-bandeira admite que se não fosse a influência do pai, mal teria ligação com o mundo da bola.

– Não ligo muito para futebol… Meu pai me influenciou a ser tricolor, mas hoje torço a cada jogo para o Vasco ganhar. É um time cativante, não posso negar – disse.

Agenda apertada não atrapalha Jack nos compromissos como porta-bandeira | Foto: Irapuã Jeferson
Agenda apertada não atrapalha Jack nos compromissos como porta-bandeira | Foto: Irapuã Jeferson

A agenda é corrida. O expediente de Jack no Vasco é de terça a sábado, das 8h às 16h, e os horários que restam ainda precisam ser divididos para a produção de eventos e a preparação em dose dupla para o Carnaval. Mas a maratona de tarefas não preocupa a porta-bandeira, que garante estar sempre pronta para encarar os afazeres profissionais.

– Sou muito dinâmica, agitada! Quando acho que estou cansada já lembro que tenho algo diferente para fazer e já volto ao normal. Quando tinha samba na sexta que era mais corrido: Só cochilava um pouquinho – brincou.

Torcedora do Fluminense, Jack é querida pela equipe de funcionários que comanda no Vasco | Foto: Irapuã Jeferson
Torcedora do Fluminense, Jack é querida pela equipe de funcionários que comanda no Vasco | Foto: Irapuã Jeferson

Faculdade trancada no último período

Com o tempo apertado quem acabou levando a pior foi a faculdade. Estudante de Eventos, Jack deu uma pequena pausa nos estudos. A dançarina trancou a matrícula no último período do curso, mas volta à ativa após o Carnaval para encerrar a trajetória acadêmica.

– Estava no último período em Eventos, mas tive que trancar por causa do tempo. Infelizmente não ia dar conta de tudo, mas volto logo depois do Carnaval para concluir de vez – admitiu a porta-bandeira.

Agenda apertada não é problema para a porta-bandeira, promoter e auxiliar administrativa | Foto: Irapuã Jeferson
Jackeline pretende voltar aos estudos após o Carnaval para concluir curso de Eventos | Foto: Irapuã Jeferson

Por Rafael Arantes