Por Redação

A Portela deu adeus neste sábado, 11, ao compositor Márcio Girão Alves, mais conhecido como Girão. Ele fez parte da parceria que venceu as disputas de samba da azul e branco para os Carnavais de 2017 e 2018 e estava novamente inscrito no concurso deste ano. Após sofrer um infarto fulminante na noite da última sexta, 10, o poeta, de 78 anos, foi velado na quadra da União de Jacarepaguá, escola da Zona Oeste do Rio em que também atuava, e foi enterrado no Cemitério de Inhaúma, na Zona Norte.

A morte de Girão aconteceu uma semana antes da primeira apresentação do samba-enredo que ele compôs com outros seis colegas para tentar emplacar o hino que a chamada “Majestade do Samba” levará para a Sapucaí em 2019, quando fará uma homenagem à cantora Clara Nunes.

O compositor Márcio Girão Alves, da Portela e da União de Jacarepaguá, morreu na sexta, 10 | Foto: Reprodução/Facebook

Na próxima sexta-feira, 18, os compositores Samir Trindade, Elson Ramires, Neizinho do Cavaco, Paulo Lopita 77, Beto Rocha e Rafael Bula estarão na sede da agremiação em Madureira, na Zona Norte, para dividir a obra com o povo portelense.

— Descanse em paz nosso parceiro de samba, Girão. Uma pancada forte na nossa parceria, que Deus conforte o coração — disse através das redes sociais o músico Samir Trindade, responsável por representar o grupo diante do público.

Portela emitiu nota de pesar

Por meio dos canais oficiais de comunicação da escola, a Portela divulgou um texto lamentando a perda de Girão e destacando o bicampeonato conquistado por ele junto aos colegas nos últimos dois anos. A nota ainda ressalta que “a diretoria da Portela se solidariza com os familiares e amigos de Girão neste momento de luto”.

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

+ 41 = 43