Por Redação

Morreu nesta terça, 2, o compositor e integrante da Velha Guarda da Portela Otto Henrique Trepte, famoso no mundo do samba como Casquinha. Vítima de uma infecção generalizada, o poeta estava internado no Hospital São Matheus, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, e tinha 95 anos, a mesma idade que a agremiação, fundada em 1923. O velório vai acontecer na Portelinha, antiga sede da escola em Oswaldo Cruz, na Zona Norte do Rio, a partir das 20h. O enterro será na quinta, 4, no Cemitério do Irajá.

Na mensagem que marca a despedida, o presidente da azul e branco, Luis Carlos Magalhães, exalta uma das principais contribuições de Casquinha para a escola: o samba-enredo do Carnaval de 1959, feito em parceria com Candeia, Waldir 59, Altair Prego e Bubu.

Casquinha viveu a vida que quis viver, sempre cercado de sambistas formidáveis e se fazendo parceiro de mitos como Paulinho da Viola, Candeia, Monarco e outros mais. Vida longa, bonita e intensa! Compôs “Brasil, Pantheon de Glórias” e se tornou personagem importante na Portela. Por isso, terá sempre um lugar especial nesse pantheon que ele próprio ajudou a construir – disse Magalhães numa nota de pesar divulgada pela escola através das redes sociais.

O compositor Casquinha, de 95 anos, fez parte da história da Portela | Foto: Divulgação

Sucessos gravados por Beth Carvalho e Zeca Pagodinho

Além das canções que embalaram desfiles carnavalescos, Casquinha também compôs obras que fazem parte do repertório de artistas de grande expressividade, como Beth Carvalho e Zeca Pagodinho. Enquanto a chamada “Madrinha do Samba” gravou o hit “A chuva cai”, o cantor eternizou a bem-humorada canção “Coroa Avançada”.

Elza Soares, Nara Leão e Jair Rodrigues também deram voz aos talentosos versos do artista. A música “Recado”, que ele escreveu com Paulinho da Viola, se tornou um clássico da Música Popular Brasileira gravada por esses e por outros artistas.

Casquinha jogou nas 11

Não foram só os sambas-enredo e o partido-alto que despertaram a paixão do portelense. Na juventude, ele também fez parte de times da segunda divisão do Campeonato Carioca, atuando como meio-campo, e chegou a jogar bola pelo próprio time filiado à escola do coração. No campo profissional, Casquinha também foi bancário antes de passar a frequentar os ensaios da Portela a convite de Candeia.

*Foto de capa: Divulgação

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

+ 46 = 55