Por Redação

Ao contrário do que ocorre com grande parte dos profissionais de Carnaval, que se dedica praticamente em tempo integral a atividades ligadas às escolas de samba, Lucinha Nobre, a consagrada porta-bandeira que em 2017 vai defender a Porto da Pedra pela Série A, sempre exerceu funções fora das quadras de ensaios e da pista do Sambódromo. Desde abril deste ano, a irmã de Dudu Nobre faz parte do seleto time de funcionários do badalado Zazá Bistrô, que fica na Rua Joana Angélica, em Ipanema, Zona Sul carioca. Lucinha é hostess da casa: cuida das reservas, recepciona e acomoda clientes.

Quem está acostumado a acompanhar o mundo do samba sabe bem que Lucinha Nobre é nome famoso entre as porta-bandeiras do Carnaval. A sambista, no entanto, não tem dedicado todo o seu tempo para a Festa de Momo. Há pouco mais de um ano, a dançarina resolveu trancar a faculdade de jornalismo e está feliz da vida com as funções que exerce no restaurante.

Mesa pra dois? Porta-bandeira, Lucinha Nobre está curtindo a vida de hostess num restaurante em Ipanema, no Rio | Foto: Irapuã Jeferson

No passado, Lucinha e o irmão, Dudu Nobre, ajudavam no restaurante da mãe 

– Fui criada em restaurante, minha mãe (Dona Anita) tinha um quando eu nasci. Até os meus 10 anos, tanto eu quanto meu irmão (o cantor Dudu Nobre) trabalhamos juntos com nossos pais, ajudando, lavando louça, servindo batida de coco que a minha mãe fazia… Meu irmão ficava no caixa. Desde criança a gente tinha esse trabalho de ajudar em casa. Há uns anos, trabalhei como garçonete e hostess mesmo em outros restaurantes – conta Lucinha.
Famosa no Carnaval do Rio, a porta-bandeira admite que todo dia é reconhecida na recepção do Zazá:

– Acontece direto de ser reconhecida. Às vezes, a pessoa fica olhando e não imagina que sou eu que vou estar ali. Quem reconhece geralmente é o cliente que é brasileiro, mas não é do Rio e pergunta se eu trabalho com Carnaval. Já aconteceu de a pessoa passar, me ver trabalhando e voltar para falar, já que eu fico na porta e passa muita gente. Pelo menos uma vez por dia sou reconhecida.

Porta-bandeira é sempre reconhecida por alguns clientes no local de trabalho I Foto: Irapuã Jeferson

Poliglota! Emprego ajuda na hora de praticar idiomas

A rotina puxada não é problema para Lucinha, que vê no emprego uma nova oportunidade de colocar em prática os idiomas que estudou. Poliglota, a dançarina, que fala inglês, francês e alemão, abraçou a oportunidade no restaurante e agora, no trabalho, tem falado mais outras línguas do que o próprio português.

– O meu gerente, Juarez, já havia sido meu gerente em outro restaurante em que trabalhei, anos atrás. Uma vez, em uma conversa, ele me falou que estava precisando de uma hostess para o turno da tarde e eu me interessei, porque é um emprego em que posso exercitar os idiomas que eu falo. E é bem legal porque conheço gente bacana todos os dias. Eu gosto de lidar com o público. Ele estava precisando e eu também estava. Não queria ficar parada, só focando em dançar como porta-bandeira. Queria fazer outras coisas. A minha meta é fazer um curso de tradução e eu achei que ia afiar os idiomas se eu trabalhasse em um lugar em que eu pudesse praticar o dia inteiro. E deu certo, porque 80% do meu dia é falando inglês, francês ou alemão – vibra a porta-bandeira.

Lucinha Nobre usa o emprego para colocar em prática os idiomas que fala | Foto: Irapuã Jeferson

Sucesso nas pistas como DJ

Além da Sapucaí, Lucinha tem atuado em outras pistas. É que a porta-bandeira também tem dedicado parte do seu tempo à função de DJ. Com um bom histórico de trabalhos também ao lado de Dudu Nobre, ela tem investido na escolha de um repertório novo, animando eventos.

– Além de dançar, já trabalhei como tradutora, produtora, figurinista do meu irmão durante muito tempo, e fiz quase todas as capas de CD dele, clipes, comerciais, revistas … Também estou trabalhando como DJ, estou aprendendo. Tenho feito algumas festas, tem sido legal, e tô levando isso mais a sério, fazendo curso, comprando material, essas coisas – diz.

Lucinha Nobre também vem trabalhando como DJ | Foto: Divulgação