Por Rafael Arantes

As mais recentes notícias que envolvem o Morro da Formiga, na Zona Norte do Rio, têm sido sobre o embate clássico entre polícia e bandido. No entanto, nem só de guerra vivem os moradores da favela tijucana. É que o policial Manoel Siqueira, membro da força de segurança da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) instalada por lá, vem desenvolvendo um projeto social de luta na quadra do Império da Tijuca, voltado para crianças da comunidade, que vêm sofrendo com os confrontos – no fim do mês passado, uma das bases de policiais no morro foi atacada por traficantes.

A ação tem como principal atividade aulas de Jiu-Jitsu ministradas pelo próprio PM. Com parceria da UPP, da associação dos moradores e dos pais de alguns dos alunos, as aulas têm sido o ponto de fuga para a escapar da insegurança da região.

– Eu dava aula em uma academia e trabalhava na rua pela polícia, até o dia que tive que me afastar por causa de uma lesão. Foi aí que passei a olhar para esse lado do projeto. Eu não tinha noção de como uma palavra e uma oportunidade podem fazer a diferença para a vida dessas crianças. Montei o meu projeto aqui na Formiga a convite do capitão Michel e sempre recebi o maior apoio de todos da região. Mesmo com a situação atual, ninguém sequer implicou comigo ou com as crianças aqui. Acredito que, quando você faz um trabalho voltado para o bem, as coisas funcionam. Unir polícia, comunidade e escola de samba é algo que só uma pessoa privilegiada consegue participar. Sou muito grato – disse o policial.

Para participar do projeto, as crianças necessitam apenas comprovar matrícula escolar ativa. Jovens de até 13 anos podem fazer parte da ação. Sede das aulas, o Império da Tijuca também disponibiliza o espaço para arrecadação de materiais para os próprios alunos.

Com oito meses de existência e atualmente com 15 crianças inscritas, as aulas acontecem às terças e quintas, na Rua Medeiros Pássaro, 84.