‘Muitos que estão tristes com o título da Mangueira são racistas e preconceituosos’, diz rainha da escola

Por Thales Calazans

Rainha de bateria da campeã do Carnaval, Evelyn Bastos aproveitou a saída do Sambódromo nesta quarta, 6, em direção à quadra da escola para mandar um recado aos que estão descontentes com a verde e rosa e com o enredo apresentado este ano (sobre os negros ignorados na história do Brasil, incluindo a vereadora Marielle Franco, do PSOL, assassinada ano passado).

Para a gata, que precisou chamar um mototáxi na tentativa de conseguir chegar até o Morro da Mangueira lotado de torcedores em êxtase, muitos dos que não estão alegres com a vitória mangueirense são racistas e preconceituosos.

— O Morro da Mangueira já parou e a gente não consegue chegar. Muitos estão tristes por este título. Mas não pela verde e rosa, e sim porque são racistas e preconceituosos. Não assumem, mas são — afirmou Evelyn, que desfilou vestida com um figurino inspirado na escrava Esperança Garcia (que escreveu uma carta ao governador do Piauí relatando os maus-tratos que sofria enquanto escravizada, o que a fez ser considerada a primeira advogada da história do estado).

Evelyn Bastos, rainha da Mangueira, ficou contente com a vitória da escola e mandou recado para os ‘haters’ | Foto: Michele Iassanori/Sambarazzo