Acostumados a acompanhar as aventuras de Paulo Barros em território nacional, como Búzios, no Rio de Janeiro, Minas Gerais, onde mora a família do artista, e principalmente em território internacional – estamos falando das temporadas de diversão do artista na Disney, nos Estados Unidos, e das andanças que ele fez pela Europa, com passagens inspiradoras por Grécia, Itália e Turquia –, os leitores do Sambarazzo agora têm a oportunidade de conhecer a aconchegante e linda casa que ele possui em Itaipu, no município de Niterói.

O imóvel  de Paulo Barros foi decorado com o mesmo capricho que inspira os trabalhos que ele prepara para os desfiles da Sapucaí. Marca registrada do carnavalesco, o toque internacional se faz presente e pode ser encontrado até no chinelo do anfitrião, estampado por ninguém menos que Mickey Mouse (detalhe) | Fotos: Irapuã Jeferson

O imóvel, comprado em 2003 pelo artista, é resultado de um desejo antigo de resgatar os tempos em que era morador de Nilópolis, na Baixada Fluminense, onde vivia num lugar com espaço de sobra para curtir o dia a dia com a família e os amigos. A vida na capital, ambientada em apartamentos há uma década, levou o responsável pelo desfile da Portela a adquirir o imóvel, cujas portas ele abre exclusivamente para a seção “Lá em Casa”.

– Queria algo como era a casa em que morei em Nilópolis. Tinha espaço pra tudo. Uma casa pra todas as possibilidades. Venho pra cá, geralmente, aos fins de semana. E quando sinto falta de algo, não deixo de fazer. Se sinto saudades da casa, venho. Se me der na telha, vou lá e faço – conta Paulo, que durante a semana mora num apê em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

A busca por um “pedacinho de chão” que pudesse ser mais aproveitado do que um apartamento motivou a compra da casa, há mais de uma década | Fotos: Arquivo Pessoal

Área externa é o xodó do carnavalesco

Se há um ambiente da casa em que é possível receber convidados de maneira confortável, conforme a vontade de Paulo, esse lugar é a parte externa do casarão. Uma cozinha superequipada – com direito à churrasqueira e forno à lenha – se junta a uma extensa área de jantar onde são servidas deliciosas refeições, preparadas pelo próprio anfitrião, que tem a inicial do nome do carnavalesco grafada nos guardanapos personalizados que contribuem para a decoração, dando um toque de requinte à mesa.

– Sou apaixonado por cozinhar. Gosto de fazer de tudo um pouco. Adoro feijoada, cozido, risotto, moqueca e churrasco – enumera o mestre-cuca, que preparou não só um saboroso café da manhã para a equipe do site como também um risotto de camarão para deixar os internautas com água na boca.

Mesa farta! É do lado de fora que a “hora do rango” acontece: o café da manhã não deve em nada para os banquetes servidos por grandes hotéis. E o risotto preparado pelo artista, sem exageros, poderia ser o prato principal de um restaurante cinco estrelas | Fotos: Irapuã Jeferson

Além da comilança garantida, a bela piscina banhada por uma cascata garante a diversão dos convidados, além de uma confortável rede e um sofá desenhado pelo dono da casa, indispensáveis para as visitas concentradas em colocar os pés para cima e curtir aquela preguicinha. A sauna, localizada também no quintal, é outra opção para garantir o “momento relax”.

Sombra e água fresca! A tranquilidade é companheira do lugar: o sofá em que Paulo gosta de ler, a rede, a piscina e a sauna são opções ideais para ficar “de boa” numa tarde ensolarada | Fotos: Irapuã Jeferson e arquivo pessoal

Bagunça! Labradores são a alegria da casa

A dupla Bel e Rodolfo, os cachorros de Paulo Barros, não é nada disciplinada como os componentes que participam dos desfiles cheios de detalhes do carnavalesco. Aliás, os animais de estimação protagonizaram as cenas mais divertidas do dia de visita: acostumados a tomar banho de piscina, eles se juntaram ao dono para dar aquele “tchibum” sob o sol quente que acompanha o verão do Rio de Janeiro.

A disputa por uma bola tornou tudo ainda mais interessante e rendeu até um festival de saltos (quase) ornamentais por parte da cachorrada.

Lembranças marcam a decoração da casa

A premiada carreira na Marquês de Sapucaí (são três títulos e três vice-campeonatos conquistados pela Unidos da Tijuca) rendeu tantas memórias marcantes que elas se tornaram parte da decoração da sala de estar e do quarto de Paulo Barros.

Decorados por Paulo Barros – que desenhou até os móveis do espaço –, os cômodos carregam as lembranças da trajetória do artista, desde os tempos em que era comissário de bordo | Foto: Irapuã Jeferson

Chamam a atenção, na parede do dormitório, uma foto ao lado da apresentadora Adriane Galisteu (que foi rainha de bateria da agremiação do Borel enquanto Paulo atuava por lá) e um registro com o capacete de Ayrton Senna em mãos, datado do Carnaval de 2014, quando a homenagem ao campeão da Fórmula 1, idealizada por Barros, garantiu a vitória tijucana na Quarta-feira de Cinzas.

A amizade com Adriane Galisteu, o tributo a Ayrton Senna e a profissão anterior (comissário de bordo) têm vez na galeria de honras do carnavalesco, que reúne ainda imagens de viagens a Nova York (na Times Square), Roma (no Coliseu) e Grécia I Fotos: Irapuã Jeferson

A primeira credencial a gente nunca esquece

O sistema “cara-crachá” que envolve a entrada e saída dos profissionais do Carnaval na “Passarela do Samba” inspirou a coletânea de credenciais que Paulo reúne em um dos ambientes da sala. A primeira delas é de 2003 e foi expedida pela Associação das Escolas de Samba Mirins do Rio de Janeiro (Aesm-Rio), quando o carnavalesco era responsável pelo desfile da tradicional Vizinha Faladeira e ainda era conhecido pelo sobrenome Braga, antes do surgimento do nome artístico.

As passagens de Barros – ou Braga – pela Viradouro e pela Tijuca (além da Mocidade e da Vila Isabel) podem ser relembradas através das credenciais, que guardam a primeira vez que o artista portou um crachá do Sambódromo

Presente do pai dá o toque final: “Nunca tive coragem de jogar fora”

Um lampião a gás chegou até a casa em Itaipu graças à preocupação paterna de Valdir, o pai de Paulo Barros. Como a região é um pouco afastada de áreas mais urbanizadas, as quedas de abastecimento de energia elétrica são comuns e até frequentes, fato que deu origem ao presente inusitado.

– Meu pai me deu quando eu vim morar aqui, porque faltava luz muitas vezes. Mania de pai, né? Ele me deu um relógio também. Nunca tive coragem de jogar fora – recorda o filhão, que diante da perda de Seu Valdir, em 2013, fez questão de prestar uma saudosa homenagem em plena Sapucaí (veja abaixo).

O paizão, Seu Valdir, também contribuiu para a decoração da casa de Paulo. O artista vestiu uma camiseta em homenagem ao pai, após perdê-lo em 2013 (detalhe) | Fotos: Irapuã Jeferson e Reprodução/Instagram

Artista não optaria entre a casa e o apartamento

Conhecido pela personalidade forte e pela postura de quem sabe o que quer dentro dos barracões das escolas de samba em que trabalha, Paulo tem em seus dois lares o calcanhar de Aquiles. É que ele garante que não saberia decidir entre a espaçosa casa em Itaipu e o luxuoso apartamento em Ipanema.

– Se eu tivesse que escolher entre morar no Rio ou em Itaipu, não escolheria. Tenho meus motivos e momentos para estar em cada um dos dois lugares – finaliza.

Vida boa! Paulo Barros aproveita a piscina de sua casa em Itaipu | Foto: Irapuã Jeferson

Texto: João Paulo Saconi

Leia também!

A cara da riqueza! Paulo Barros vai à Disney e mostra apê nos Estados Unidos

Do fundo do baú! Ex-comissário, Paulo Barros relembra aventuras a bordo

“A Portela não tem musa!”, sentencia Paulo Barros