Por Redação

A violência que castiga o Rio de Janeiro fez mais uma vítima na noite deste sábado, 30. Dançarinos da quadrilha junina Araquém de Nilópolis, da Baixada Fluminense, tiveram o caminhão de roupas típicas roubado após uma apresentação na cidade de Maricá, na Região Metropolitana. Integrante da comissão de carnaval  da Beija-Flor e dançarino do grupo, o carnavalesco Léo Mídia fez um desabafo.

Luxo das roupas é característico das quadrilhas de salão – Foto: Arquivo pessoal

– Tiraram o nosso brilho. A ficha ainda não caiu. Nosso povo está muito mal, só tristeza. A quadrilha é que nem o Carnaval. Não são três meses de trabalho, é um ano de muita coisa envolvida. Não sabemos o que vamos fazer ainda, mas nossa esperança é encontrar as roupas – diz Léo, que está na quadrilha, uma das mais competitivas do segmento, há 16 anos.

O artista contou que o veículo foi roubado em Niterói, quando seguiam para uma apresentação na quadra do Acadêmicos do Engenho da Rainha, na Zona Norte carioca. Foram roubados o cenário e as roupas do grupo. Neste ano, a Araquém escolheu como tema pra suas apresentações o universo de Monteiro Lobato.

Neste ano, a quadrilha Araquém explora o universo de Monteiro Lobato – Foto: Arquivo pessoal

O valor material do que foi levado pelos bandidos ainda não foi calculado pelo grupo.

– Nunca aconteceu isso com a gente. Estamos recebendo o apoio de diversos grupos juninos, mas, como falei, não tem como a gente recuperar um trabalho desses em pouco tempo para as próximas apresentações – lamentou Léo.

Roupas e cenário do grupo foram levados pelos criminosos – Foto: Arquivo pessoal

A Araquém de Nilópolis existe há 40 anos e é uma das mais conceituadas quadrilhas de salão do estado do Rio de Janeiro. O grupo formado por mais de 100 pessoas costuma brigar pelos primeiros lugares nas competições realizadas.

Quem tiver alguma informação sobre o paradeiro do caminhão e das roupas da quadrilha pode entrar em contato nos telefones: (21) 96404-7164, (21) 96442-2066 e (21) 98199-4553.

*Foto de capa: Irapuã Jefferson

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

98 − = 93