Porta-bandeira Lucinha Nobre será passista da Tijuca no Carnaval

Por Redação

Depois de fazer a maior farra no ensaio técnico da Mangueira na Sapucaí no mês passado, e viver a emoção de cruzar a Passarela do Samba numa ala, sem a pressão de treinar para buscar as melhores notas para o quesito que sempre defendeu, a porta-bandeira Lucinha Nobre continua disposta a aproveitar como nunca o Carnaval deste ano.

A dançarina, que ao sair da Mocidade após o último Carnaval acabou preferindo não assinar contrato com nenhuma escola de samba, estará livre, leve e solta nos dois dias de desfile do Grupo Especial. Na segunda-feira, 7, ela vai se esbaldar na pista com a verde e rosa, participando da homenagem à cantora Maria Bethânia. Um dia antes, ela também estará na Avenida, mas de uma forma bem diferente: ela vai estrear como passista da Unidos da Tijuca.

Quem revelou a boa nova foi o irmão de Lucinha, o cantor e compositor Dudu Nobre, que é um dos autores do samba-enredo da escola do Borel deste ano e, empolgado ao ver a maninha cair no samba com os passistas da agremiação, postou um vídeo em suas redes sociais para felicitar a porta-bandeira.

Ela se jogou no primeiro ensaio como passista!

Lucinha Nobre está curtindo a ideia de desfilar sem a pressão de contar pontos

Aos 40 anos, muitos deles dedicados ao samba, Lucinha aparece bem à vontade nas imagens, dando uma boa prévia do quão soltinha estará no desfile das duas escolas. Após muitos carnavais cruzando a Passarela do Samba sob a pressão de acumular notas 10 para ajudar as escolas pelas quais atuava como primeira porta-bandeira (foram elas Mocidade, Tijuca, Portela e Inocentes de Belford Roxo), Lucinha já está curtindo a sensação de desfilar sem, literalmente, sentir o peso da fantasia de quem conduz o pavilhão de uma agremiação.

Em casa! Lucinha Nobre, que já defendeu o pavilhão da Unidos da Tijuca, está feliz da vida com a estreia no posto de passista. Na imagem, ela aparece com as companheiras de samba no pé I Foto: Reprodução/Facebook
Em casa! Lucinha Nobre, que já defendeu o pavilhão da Unidos da Tijuca, está feliz da vida com a estreia no posto de passista. Na imagem, ela aparece com as companheiras de samba no pé I Foto: Reprodução/Facebook

– Acho que vai ser diferente não desfilar de porta-bandeira, mas também não quero nem pensar nisso, no fato de que fui porta-bandeira. Quero simplesmente curtir o Carnaval. Fazer as coisas que não fiz e que acho que tinha que fazer como sambista. Quero desfilar em carro, em ala… Já cheguei a desfilar com uma roupa de 40kg, quando eu pesava pouco mais de 50kg – lembrou Lucinha, após o ensaio da Mangueira em dezembro, quando provou que estava no melhor da forma física, ostentando um manequim 38 em 1,65m de altura.

Lucinha e Faruk_ensaio técnico mangueira 2015_ foto irapuã jeferson
Em dezembro, Lucinha se acabou no ensaio técnico da Mangueira e atravessou a Sapucaí ao lado do namorado, o rapper Faruck Barem | Foto: Irapuã Jeferson

À espera de um tentador e irrecusável convite

Desde que estreou como primeira porta-bandeira, pela Mocidade, em 1992, Lucinha ficou de fora da festa somente por dois carnavais (1999 e 2000), quando se deu um tempo para cuidar do primeiro filho, Yannick, hoje com 16 anos. Entre os feitos da bem-sucedida trajetória, um enche a sambista de orgulho: um inédito troféu “Estandarte de Ouro”, honraria concedida pelo Jornal O Globo, que a contemplou com o prêmio de melhor porta-bandeira quando somente as principais condutoras dos pavilhões recebiam o título. Foi em 1993, quando dançou como a segunda porta-bandeira da verde e branco de Padre Miguel, por onde desfilou por mais de 15 anos.

Apesar do vitorioso currículo, após viver uma espécie de ano sabático no quesito porta-bandeira Lucinha Nobre afirma que só voltará a dançar caso pinte um convite irrecusável, dentro do que julga essencial para se sentir apta a retomar a carreira.

– Quero retornar de forma especial, dançando por alguma escola com a qual realmente me identifique. Não vai pesar apenas a questão financeira, quero que valha a pena por muitos aspectos. Voltar numa casa onde me sinta acolhida fará toda a diferença, já que são muitos anos e penso que é chegada a hora de aceitar apenas oportunidades que me façam sentir plena e feliz – declarou a porta-bandeira, em outra entrevista concedida ao Sambarazzo.