Quebra de contrato! Riotur critica Uber por cancelar patrocínio do Carnaval 2019

Por Redação

A notícia de que a Uber não irá mais patrocinar o Carnaval 2019 do Rio de Janeiro foi recebida com surpresa pelo presidente da Riotur, Marcelo Alves. Em entrevista ao Sambarazzo, o dirigente classificou a decisão da empresa como “desastrosa” e “desrespeitosa”.

De acordo com Marcelo, a Uber já tinha assinado o contrato do ano que vem. Por causa disso, os advogados da empresa de turismo do Rio estão preparando uma ação pela quebra do contrato.

Presidente da Riotur, Marcelo Alves, afirmou que irá entrar com medidas judiciais contra a Uber – Foto: Arquivo

– Vamos tomar todas as providências jurídicas possíveis. É uma decisão desastrosa e desrespeitosa com o Carnaval. Eles tomaram essa decisão a dois meses dos desfiles, já com o contrato de 2019 assinado conosco. É uma atitude radical, que coloca uma pessoa como problemática para toda essa situação. Ou seja, estão penalizando todos os profissionais do Carnaval e, principalmente, o Rio de Janeiro, focando no ato de um presidente de uma escola de samba  – declarou Alves.

Marcelo afirmou que o rompimento do contrato partiu da sede americana da Uber por causa da prisão do deputado estadual Chiquinho da Mangueira, presidente da verde e rosa.

Desfiles que ocorrem na Intendente Magalhães correm risco de não acontecer, diz presidente da Riotur – Foto: Arquivo

“A Intendente corre sério risco de não ter desfile”

Segundo Alves, a decisão dos dirigentes do aplicativo de transporte inviabiliza ainda os desfiles na Intendente Magalhães, onde disputam as Séries B, C e D. Além da verba para o Grupo Especial (seriam R$ 500 mil para cada uma das 14 agremiações), o contrato com a Uber previa R$ 2,5 milhões que seriam utilizados para estruturar dos desfiles da Intendente em 2019.

– Eles assinam um contrato e uma semana depois eles mandam a desistência. Como funciona isso? Aqui tem profissionais, seriedade. Não é assim. A Intendente corre o risco de não ter desfile. Como vai fazer agora? A Intendente corre sério risco de não ter desfile – alertou Marcelo Alves.

Agremiações do Grupo Especial do Rio ficarão sem a verba da Uber para 2019 – Foto: ANDRÉ LUIZ MELLO/AGÊNCIA O DIA/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

“Não tem como correr atrás de outra empresa”

Mesmo com o forte cenário de crise econômica na maior festa do Rio, o presidente da Riotur ainda não desistiu de conseguir viabilizar o retorno dos ensaios técnicos. Marcelo Alves também pontuou que não dará mais tempo de procurar uma outra empresa para substituir o valor que seria aportado pela Uber.

– Ainda não desisti dos ensaios técnicos. Mas, honestamente, não tem como eu ir atrás de outra empresa. As empresas já fecharam o orçamento para o ano que vem. Essa decisão desrespeitosa da Uber veio a dois meses do Carnaval. Se tivessem falado há oito meses, eu ia atrás de outra empresa. Agora não tem como – afirmou.

*Foto de capa: Arquivo