Por Redação

Carnavalesco da Unidos do Peruche, de São Paulo, Mauro Quintaes tá de volta à rede com "Quintas com Quintaes", programa do conhecido formato de talk show, entrevistando os artistas do Carnaval. A estreia da terceira temporada foi na última quinta-feira, 9, e recebeu de cara a estrela da hora, o carnavalesco Leandro Vieira, da Mangueira.

Agora com direção de Ludmila Aquino, nova equipe e visual repaginado – as gravações ocorreram no Otromondo Estúdio, em Botafogo – o programa, na reestreia, durou 25 minutos. Os artistas trocaram visões sobre a festa num bate-papo bastante descontraído. Leandro falou sobre a força que conquistou na verde e rosa, os desafios na carreira e, claro, do enredo crítico e politizado do próximo ano: "Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco".

Na próxima quinta-feira, 16, Quintaes bate um papo com o diretor de carnaval da Imperatriz, Wagner Araújo, que vai falar sobretudo da interdição nos barracões e como estão sendo planejados os ajustes no complexo de barracões. O programa é toda quinta-feira, no canal QUINTAS COM QUINTAES , a partir das 20h30.

Confira algumas declarações de Leandro a Mauro.

"João (Trinta) nunca fez a minha cabeça"

– No mundo do carnaval, o Joãosinho Trinta virou uma personalidade emblemática que parece que todo carnavalesco tem que ter uma gota do DNA do João Trinta. Reconheço o brilhantismo dele em momentos marcantes, a importância do João pro Carnaval, mas ele nunca fez a minha cabeça, nunca foi um artista de servir como um modelo pra mim. Mas o defeito deve ser meu, e não do João, com certeza. O minimalismo da Rosa sempre me encantou muito mais que qualquer gigantismo do João. A inteligência, as coisas nos lugares certos, o dizer muito com pouco, a brasilidade… O Renato é tudo muito enxuto, muito limpo, tudo no mesmo lugar, e isso sempre me emocionou, um modelo de pensar e seguir.

"Não tinha nada a perder", diz Leandro sobre chegada à Mangueira

– Cheguei na Mangueira numa condição inusitada. Eu tinha 30 anos, um carnaval no grupo de acesso, não foi campeão, e uma escola como a Mangueira me convida. Eu cheguei numa condição de que eu não tinha nada a perder. Se for negativo, tanto vai fazer pra mim, porque não tenho nada a perder. Isso me deu mais segurança de fazer algo diferente. Algo diferente deu certo e hoje isso valido o continuar a fazer diferente.

"Prefiro Renato e Rosa do que qualquer outro artista internacional"

– Eu prefiro consultar o trabalho do Renato (Lage, carnavalesco da Grande Rio) e Rosa (Magalhães, carnavalesca da Portela) do que de qualquer outro artista internacional. Vou aprender muito mais com eles do que de qualquer espetáculo internacional. Ali, tem a vivência do que eu acredito. São pessoas que beberam da fonte de Arlindo Rodrigues, que beberam a mesma água do Fernando Pamplona, existem coisas solidificadas que me interessaram ali.

Vieira sobre enredo: "É um desafio. Nunca as estéticas críticas se consagraram"

-  Se meus dois carnavais anteriores apresentavam a cultura brasileira, esse agora parte em defesa, não é só o apresentar, é apresentar para defender. É apresentar a cultura da diversidade, do brincar com liberdade. É um defeito meu, tenho necessidades estéticas. Não sei abrir mão da beleza, em função de uma ideia politizada. (o enredo) Não é só político. Tem uma preocupação estética grande. É um desafio. Historicamente, nunca as estéticas críticas se consagraram.

E teve muito mais. Confira a íntegra da conversa:

O próximo convidado de Quintaes é o diretor de carnaval da Imperatriz, Wagner Araújo, que vai falar sobretudo da interdição nos barracões e como estão sendo planejados os ajustes nos complexos de barracões. O programa é toda quinta-feira, no canal,  QUINTAS COM QUINTAES a partir das 20h30.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

77 − = 72