Representou! No Faustão, Juliana Paes pede que Crivella reveja apoio aos ensaios técnicos

Por Redação

Se o papel de uma rainha de bateria famosa é utilizar o espaço conquistado diante do público para reproduzir as principais demandas do povo do samba, Juliana Paes, da Grande Rio, pode ter ganhado novos pontos com os admiradores que já conquistou na folia.

É que neste domingo, 6, a atriz participou do “Domingão do Faustão”, da TV Globo, e aproveitou a ida à atração para fazer um apelo ao prefeito do Rio, Marcelo Crivella, para que ele reveja o apoio municipal à realização dos ensaios técnicos na Marquês de Sapucaí.

Juliana Paes, rainha de bateria da Grande Rio, defendeu o retorno dos ensaios técnicos na Sapucaí durante sua participação no “Domingão do Faustão” deste domingo, 6 | Foto: Rodrigo dos Anjos/Divulgação

Na comemoração de 30 anos do programa dominical, Juliana listou as principais características positivas dos treinos realizados na Avenida e foi aplaudida pelo auditório ao dizer que não via motivo para o cancelamento deles, que após 15 anos de realização ininterrupta deixaram de acontecer em 2018, quando a prefeitura anunciou um corte de 50% na subvenção pública para as escolas.

— Todo mundo se diverte, não tem briga, não tem confusão. As escolas podem ensaiar seus enredos, seus desfiles, todo mundo sai ganhando. Não tem motivo pra a gente ter parado de ter os ensaios técnicos no Rio — disse a majestade da tricolor de Caxias, na Baixada Fluminense, que está no segundo ano de seu reinado.

Apelo direto a Crivella

O discurso de Juliana na TV foi acompanhado de uma sugestão para que o público cobre de Marcelo Crivella uma preocupação maior com a causa das agremiações. A artista, em geral, não é das mais afeitas a tomar posições políticas publicamente (nas eleições de outubro passado, por exemplo, ela não demonstrou apoio a nenhum candidato).

— Vamos falar com nosso prefeito pra termos os ensaios técnicos na Sapucaí, gente. É tão divertido. É um entretenimento maravilhoso, as pessoas têm chance de trabalhar, montar suas barraquinhas, é gratuito, ninguém paga pra estar nas arquibancadas assistindo — declarou, ganhando o apoio da atriz Sophie Charlotte, que fez coro às afirmações da colega de trabalho.

Treinos na Sapucaí não aconteceram no último Carnaval e podem não ser realizados este ano | Foto: Alexandre Macieira/Riotur

Saída pode estar em leis de incentivo à cultura

No fim da semana passada, o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira, confirmou ao Sambarazzo que a instituição captou R$ 600 mil através da Lei Rouanet para ajudar na realização dos ensaios.

Como o valor não atinge o mínimo necessário para a utilização (a legislação exige que sejam arrecadados 20% do valor pedido), os dirigentes seguem buscando novos apoios para além dos que já conseguiram com a Ball, empresa que recicla e produz latinhas de alumínio.

Ao mesmo tempo, o governo do estado e a Empresa Pública de Turismo do Rio (Riotur) estão buscando o suporte da Light, concessionária de energia elétrica, para tentar fazer os ensaios gratuitos acontecerem através da lei de isenção fiscal do ICMS.

Ao mesmo tempo, o aporte financeiro de apenas R$ 500 mil para cada uma das 14 escolas do Grupo Especial (no ano passado, cada uma recebeu R$ 1 milhão e mais R$ 500 mil referentes a um patrocínio da Uber) segue sem ter caído na conta das agremiações. Isso porque desde dezembro a Liesa tenta se reunir com Crivella para pedir que ele reveja o corte.

Leia mais!

Só a campeã! Liesa não confirma ensaios técnicos, mas garante treino da Beija-Flor na Sapucaí

Já é Carnaval! Samba toma ruas e quadras do Rio com ensaios das escolas