Por Redação

Já pensou reunir renomados coreógrafos do Carnaval carioca em um único espetáculo, além da Marquês de Sapucaí? É o que vai acontecer neste domingo, 10, quando Hélio Bejani, do Salgueiro, e Jorge Texeira, da Mocidade, responderão, respectivamente, pela direção geral e artística do balé clássico “Giselle”.

A montagem ainda vai contar com a participação especial de Claudia Mota, primeira bailarina do Theatro Municipal e coreógrafa da comissão de frente do Império Serrano.

O espetáculo tem no elenco bailarinos da Escola Maria Olenewa do Theatro Municipal (BEMO-TMRJ), uma companhia jovem criada no último dia 3 de abril. O projeto visa a formação de um grupo de dança pré-profissional, composto por alunos dos últimos anos de formação e alunos formados da Escola Estadual de Dança Maria Olenewa do Theatro Municipal do Rio de Janeiro (EEDMO).

Apresentação de balé ocorre neste domingo no Theatro Municipal – Foto: Divulgação

– Este projeto está sendo desenvolvido com muito trabalho e dedicação por uma equipe totalmente comprometida, única e exclusivamente com o intuito de proporcionar a esses jovens talentos um melhor preparo artístico e emocional pra seguirem suas carreiras dentro da dança. Destaco também a participação do amigo Jorge Texeira que, como eu, vê esse projeto não como um trabalho, mas sim uma missão –  explica Hélio Bejani, diretor da Escola Maria Olenewa.

A apresentação de “Giselle” será no Theatro Municipal e terá preço popular (veja os valores abaixo). O balé romântico é dividido em dois atos e narra a história de um amor que transcende a vida e a morte. O espetáculo é um dos mais tradicionais do repertório clássico da dança. Inicialmente interpretado pela Ópera Nacional de Paris em 1840, a coreografia exige muito empenho e rigor técnico das bailarinas que se apresentam com o tutu romântico, as saias longas.

Montagem também conta com a participação de Claudia Mota, do Império Serrano – Foto: Divulgação

Na história, a plebeia Giselle sofre por amor ao descobrir que o amado, Albrecht, é um nobre disfarçado de camponês e deve se casar com uma moça nobre. Desiludida, ela morre ao confirmar a notícia. No segundo ato, o amor eterno de Giselle por Albrecht, que vem a noite visitar seu túmulo, o salva das “Willis”, fantasmas de garotas noivas que morreram antes do dia do seu casamento. Sempre que um homem se aproxima, elas o obrigam a dançar até a morte. Giselle dança no lugar de Albrecht e, dessa forma, quebra o encanto das “Willis”.

Serviço:

Balé Giselle

Direção artística: Jorge Texeira

Direção geral: Hélio Bejani

Dia 10 de junho, às 17h

Ingressos: R$ 30 (plateia e balcão nobre), R$ 20 (balcão superior), R$ 10 (galeria)

Duração: 1h50

Theatro Municipal – Praça Floriano, s/nº – Centro – Rio de Janeiro

Tel:  (21) 2332-9191

*Foto de capa: Divulgação

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

1 + 5 =