Por Aydano André Motta

Nem a mais estéril das almas fica indiferente à imponência do Palácio do Samba. O templo carnavalesco, nas franjas da favela de bambas monumentais, guarda a memória dos inventores da Estação Primeira – de Cartola e Carlos Cachaça, de Saturnino e Nelson Cavaquinho, de Neuma e Neide, de Delegado e Waldomiro, de Mocinha e Zica. Mas a magia da Mangueira renascerá para sempre – e, quase 90 anos depois do primeiro batuque, oferece Evelyn Bastos, expressão da mais perfeita (pode botar perfeita aí) beleza do paticumbum.

Salve rainha – uma das mais incríveis a cruzar a Sapucaí hoje em dia. Tinha de ser da Mangueira.

A sambista materializa no corpo impecável a paixão incendiária que vive tatuada no DNA verde e rosa. Na quadra, sábado sim sábado também, baila suada e visceral, obediente ao ritmo da bateria única, do surdo sem resposta que arrebata o mundo. Sabe a alma árida lá do início? Basta dar com Evelyn no seu púlpito, reinando no passo preciso, para se entregar convertida de vez à folia.

A alteza verde e rosa, 22 anos, pratica código próprio – e maduro – em seu ofício. Mostra a plástica irretocável na medida certa, sabedora de como deve comportar o personagem que encarna, no altar do samba. Assim, curta as fotos, preciosidades na exata medida do que se permite a rainha.

Ela carrega na alma os predicados da dinastia, aprendida no vaivém da Mangueira, onde mora até hoje. Evelyn respira samba e carnaval desde a maternidade, ou antes. Filha da ex-rainha de bateria Valéria (vai vendo…), comunicou ainda criança a uma outra, Tânia Bisteka, o que pretendia da vida:

– Vou ser rainha igual a você, tia.

Tinha 8 anos. O resto é a mais pura magia de bamba. Ou como ensinou Cartola, o mangueirense conceitual: “Pois então saiba que não desejamos mais nada/ A noite, a lua prateada/ Silenciosa, ouve as nossas canções…” E, agora, testemunha a apoteose Evelyn, majestade apaixonante da Estação Primeira.

Vida longa à nobreza de sangue verde e rosa!

BATE-PAPO

Nome: Evelyn Bastos da Silva
Idade: 22 anos
Signo: Leão
Local de nascimento: Rio de Janeiro
Bairro onde mora: Mangueira
Casa ou apartamento? Casa
Mora com quem? Minha mãe, Valéria; minha irmã, Emelyn; e  meu pai, Marcelo
Namorando ou ficando? Namorando
Filhos? Não. Só mais para a frente
Profissão: Estudante
Cor preferida: Branco
Animal de estimação: Barbie, uma poodle
Livro: “Renúncia” e “A vida continua”, os dois de Chico Xavier
Filme: “Seven – os sete crimes capitais”
Um homem: Jesus Cristo
Uma mulher: Minha mãe
Religião: Espírita, filha de Iemanjá
Novela: “Laços de família”, de Manoel Carlos
Um samba: “Cem anos de liberdade, realidade ou ilusão?” (Mangueira, 1988)
Grife: Nunca escolho grife. Não sou muito de comprar. Só o que gosto, o que fica bem
Não uso nunca: Drogas
Perfume: Manifest, de Yves Saint-Laurent
Não saio de casa sem: Fazer uma oração antes
Carro que tem e o que gostaria de ter: Não tenho sonho de consumo. Mas ter um me ajudaria bastante, pela praticidade
Cantor: Roberto Carlos
Cantora: Alcione e Beyoncé
Ator: Tony Ramos
Atriz: Glória Pires
Música: “Tente outra vez”, de Raul Seixas
O que eu quero: Pegar meu diploma na faculdade e me tornar professora de Educação Física. Serei a primeira formada na minha família, é muito importante
O que eu não quero: Intolerância e preconceito
Gosto de ir: À praia
Não gosto de ir: A cemitério
Time: Vasco
Programa de TV: “Caldeirão do Huck” e “Fantástico”
Se não fosse rainha, que outra função gostaria de exercer numa escola de samba? Qualquer uma. Sendo na Mangueira, estaria feliz

Fotografia: Marcelo Piu
Maquiagem: Victor Waltz
Making of: Paulinho Thomaz
Figurinos: By Izaquis, Xsis e Gibella Beach
Acessórios: NegaChic
Produção de moda: Wallace Safra (Ateliê By Izaquis) e Rafa PINK