Por Redação

A Estação Primeira de Mangueira vai ensaiar esta noite em preparação ao Carnaval 2019. Apesar de a manhã desta quinta-feira, 8, ter começado com a notícia da prisão do presidente Chiquinho da Mangueira, numa nova fase da Operação Lava-Jato no Rio, a agremiação confirmou ao Sambarazzo que o treino — o primeiro voltado apenas para a comunidade da temporada — está mantido para hoje, às 20h.

Enquanto isso, a assessoria de imprensa do deputado estadual divulgou uma nota na qual ele afirma que é inocente e que são “infundadas e inverídicas” as denúncias de que teria recebido valores milionários em propinas para pagar o Carnaval da verde e rosa. Chiquinho é deputado estadual pelo PSC e um dos 10 parlamentares que tiveram mandados de prisão expedidos hoje pela Operação “Furna da Onça”.

O texto (publicado na íntegra ao fim desta matéria) diz ainda que Pablo Andrade, um dos advogados do dirigente, considera que a medida foi “completamente desarrazoada” e afirma que “ficará demonstrado que não houve qualquer ato ilícito praticado pelo deputado”.

Mangueirenses seguem convocados para ensaiar na quadra da escola na noite desta quinta, mesmo com a prisão do presidente Chiquinho pela Operação Lava-Jato | Foto: Fernando Azevedo/Site Oficial da Mangueira

Alcione classifica episódio como “lamentável”

Uma das mangueirenses mais atuantes, Alcione não escondeu a decepção com a notícia que movimentou os bastidores do samba. A cantora, que se apresentou no “Palácio do Samba” no último sábado, 3, publicou um comentário na conta do Instagram no Sambarazzo num post sobre a prisão do dirigente.

É lamentável. Estou muito triste escreveu Marrom.

Em rede social, Alcione demonstrou estar triste com o episódio envolvendo Chiquinho | Foto: Reprodução/Instagram

Propina pode ter chegado a R$ 3 milhões

Segundo o Jornal Extra, os investigadores da Lava-Jato apontam, na denúncia que baseou a prisão de Chiquinho, que ele teria recebido seis pagamentos no valor de R$ 500 mil entre dezembro de 2013 e fevereiro de 2014, período em que a Mangueira se preparava para desfilar pela primeira vez sob a administração dele. Classificada em 8º lugar ao fim da apuração, a escola foi assumida pelo político com uma dívida superior a R$ 12 milhões.

Em 2015, dois anos após passar a ocupar a presidência, o mandatário disse ao Sambarazzo que a verde e rosa tinha “a pior situação financeira” entre as coirmãs do Carnaval carioca, problema que, ainda segundo ele, demoraria pelo menos seis anos para ser resolvido. O déficit foi agravado porque havia cerca de 120 ações trabalhistas em que a escola era ré transitando na Justiça. No ano seguinte, após a conquista do campeonato com o enredo em homenagem à cantora Bethânia, Chiquinho voltou a afirmar que o cenário financeiro mangueirense seguia problemático.

Reeleito em outubro para um mandato de mais quatro anos na Alerj, o deputado encerraria a temporada à frente da Mangueira após o Carnaval de 2019, após a próxima eleição para a presidência. Ele foi reeleito em 2016, com 81,6% da aprovação dos sócios da instituição.

Desfile da Mangueira para o qual Chiquinho pode ter pedido beneficiamento financeiro acabou em 8º lugar | Foto: Marco Antonio Cavalcante/Riotur

Confira a íntegra da nota divulgada por Chiquinho da Mangueira:

“O deputado Chiquinho da Mangueira, através de sua assessoria, declara que todas as acusações imputadas a ele através da operação “Furna da Onça”, realizada pela Polícia Federal, que o levou a prisão temporária no dia de hoje (08), são infundadas e totalmente inverídicas.

Segundo o advogado Pablo Andrade, da equipe jurídica de Chiquinho da Mangueira, a medida foi completamente desarrazoada e ficará demonstrado que não houve qualquer ato ilícito praticado pelo deputado.”

Leia mais!

Lava-Jato! Presidente da Mangueira é preso no Rio

Devo, não nego: ‘A pior situação é a da Mangueira’, afirma presidente

Dívidas ainda incomodam Mangueira: ‘Ganhar é bom, mas não resolve’

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

8 + 1 =