Por Luiz Felippe Reis

Casal dos mais conhecidos do Carnaval, Selminha Sorriso e Marcos Falcon se preparam para dar um passo definitivo na relação. É que os pombinhos, juntos há 10 anos, vão noivar. Ainda sem data marcada, a festa promete emoção em dose dupla, já que as comemorações serão realizadas em dois dias e em locais diferentes: o primeiro evento será na quadra da Beija-Flor de Nilópolis, onde Selminha é porta-bandeira há 20 temporadas, e, na sequência, na Portela, onde o futuro noivo comanda desde 2013 os destinos da maior campeã da festa.

Juntos há 10 anos, Marcos Falcon (Portela) e Selminha Sorriso (Beija-Flor) administram bem a relação
Juntos há uma década, Marcos Falcon (Portela) e Selminha Sorriso (Beija-Flor) vão noivar numa festa dupla, realizada nas dependências das duas escolas de samba – Foto: Alexandre Vidal

Apaixonados, Selminha e Falcon avisam que, além de planejar o noivado, já começaram a cogitar outra novidade que tem tudo para aumentar ainda mais os laços do casal: um herdeiro. Pai de seis filhos, o vice-presidente portelense pensa em ter um bebê com a porta-bandeira.

– Um homem que tem a oportunidade de ser pai dignamente e tem como mulher a Selminha, tão companheira, parceira e maravilhosa, não tem como não pensar em ser pai novamente – derrete-se Falcon, em sua versão mais melosa.

Falcon e Selminha
Sob as bençãos da águia… e do beija-Flor também! Selminha e Falcon não descartam a possibilidade de um bebê – Foto: Irapuã Jeferson

Enquanto o dirigente já está bem envolvido e empolgado com a ideia de ter um filho com Selminha, a dançarina da azul e branco de Nilópolis é mais comedida. Ela revela preocupação com a ausência de avós na criação do filho que o casal teria. Sem descartar a possibilidade, a detentora de quatro notas 10 no último Carnaval deixa nas mãos de Deus – e do destino – a chegada de um novo sambista.

– Sou apta a ter outro bebê. O Falcon gosta muito de bebê, com certeza. Meu único questionamento é que o nosso filho não teria avós, né? Falcon e eu não temos mãe, e uma avó sempre faz diferença, até pela vida corrida que temos. Sobre ter o filho ou não, acho que quem sabe é Deus, é bobeira achar que podemos decidir alguma coisa, é tudo com ele – pondera Selminha, que já é mãe de Igor, de 14 anos.