Por Redação

Depois de sofrer um corte de 50% na subvenção pelo prefeito Marcelo Crivella, a Lierj resolveu, em plenária, mexer no regulamento: apenas uma escola será rebaixada. O previsto era o rebaixamento de duas agremiações.

– É inviável rebaixarmos duas escolas de samba. É Muito sacrificante diante desse corte cruel e perverso. A gente avaliou também que não é possível acabar com o rebaixamento porque precisamos ter a competitividade. Por isso, irá descer apenas uma escola e não duas – afirmou Déo Pessoa, presidente da Lierj, em entrevista ao Jornal Extra.

Diminuição no número de alegorias também é uma possibilidade de alteração para os próximos dias. Atualmente, são quatro carros alegóricos, no máximo, e dois, no mínimo.  Aumentar o valor do ingresso para os desfiles da Série A para aumentar receita é uma hipótese descartada por Déo.

Crivella tirou 50% da verba da Série A a 100 dias do Carnaval

Pivô na confusão com as escolas de samba do Grupo Especial – após cortar 50% da subvenção repassada pela prefeitura às agremiações da elite -, o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella mirou o facão em direção à Série A e também cortou 50% do Grupo de Acesso.

Até o Carnaval 2017, as escolas recebiam R$ 800 mil, e agora serão apenas R$ 400 mil pra cada uma das 13 escolas da divisão abaixo do Especial. Outra grana disponível pras escolas da Série A é a da TV Globo, de cerca de R$ 150 mil pra cada. A dona dos direitos de transmissão já efetuou o pagamento à Lierj.

A entidade que rege os desfiles da Série A emitiu uma carta aberta à população do Rio de Janeiro em tom de protesto contra o prefeito.

Crivella é 10? Escolas fazem carta aberta ao prefeito: ‘O samba jamais vai morrer’

 

*Foto de capa: Michele Iassanori

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta

25 − 21 =