Sortuda! Enfermeira conquista uma das 12 vagas no abre-alas da Viradouro: ‘Sambava em frente ao espelho’

Por Redação

Será da enfermeira Rosiane Santana, nascida em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, uma das 12 vagas reservadas exclusivamente a mulheres negras no abre-alas da Viradouro.

Desde que abriu seleção para o primeiro carro da escola a entrar na Sapucaí, a vermelho e branco de Niterói recebeu centenas de mensagens de candidatas.

Realizada! Rosi Bumbum sambava em frente ao espelho quando era criança e será um dos destaques da Viradouro neste Carnaval – Fotos: Reprodução/Instagram

Rosi Bumbum, como é carinhosamente chamada pelos amigos, sabia que não seria fácil. Mas, sonhadora como todo brasileiro raiz, ela sempre acreditou na possibilidade de ser convocada.

— Ano passado, assisti ao desfile de perto e amei. Sempre quis fazer parte. Quando vi a oportunidade, fiquei confiante — comemora a moça de 32 anos, que foi incentivada por uma amiga a tentar a sorte.

Herança cultural: paixão pelo samba surgiu através da mãe

Apoio para cair no samba, aliás, nunca faltou na vida da profissional de saúde. Foi com a mãe, Rosângela Santana, que já morreu, que ela aprendeu a tomar gosto pelo carnaval e começou a frequentar as quadras.

— Minha mãe amava, desfilava, e eu admirava muito. Desde pequena, eu sambava em casa, em frente ao espelho, com os saltos dela, batons, brincos… — revela, orgulhosa.

Nascida em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, Rosiane sempre foi sonhadora. É enfermeira e apaixonada por escola de samba – Foto: Reprodução/Instagram

Fã do carnavalesco Paulo Barros, que está de volta à Viradouro nesta temporada, Rosiane quer abraçar pra valer a chance de brincar carnaval do alto de um carro alegórico:

— Será uma oportunidade única, um diferencial, e darei meu máximo. Me sinto lisonjeada por ter sido escolhida.

Ela quer mais! Rotina exaustiva em hospital não afasta sonho de ser musa ou rainha

Dedicada no trabalho – Rosiane encara um expediente de 12 horas diárias num hospital em Olaria, na Zona Norte do Rio -, ela promete aproveitar de toda forma a vaga conquistada. E almeja, como 10 a cada 10 mulheres do samba, um convite para ser musa ou rainha de bateria.

— Sonho com isso desde sempre, e vou chegar lá! — avisa, ostentando determinação.

Futuro! Rosi Bumbum quer ser musa ou rainha de bateria – Foto: Reprodução/Instagram

Garra e corpo pra alcançar o objetivo ela tem de sobra: informa 1,65m de altura e 63 quilos. Naturalmente, para satisfação pessoal e alegria de muitos foliões, vai desfilar com pouca roupa.

— Sem problemas quanto a isso — esbanja a enfermeira, que, de fato, vende saúde.