Triste fim! Caprichosos de Pilares está fora do Carnaval 2018: ‘Estamos sofrendo’

Por Redação

A decisão definitiva que ninguém queria ler, ver ou ouvir foi tomada nesta quarta-feira, 7. A Caprichosos de Pilares está fora do Carnaval de 2018. A escola de samba consagrada como a “campeã do povo” de 1985, dona de desfiles memoráveis e com passagem extensa pelo Grupo Especial não vai desfilar neste ano após dois rebaixamentos.

Uma intensa briga judicial – entre situação e oposição – impede a azul e branco de ter as documentações necessárias para participar do Grupo de Acesso C, que desfila na Segunda-feira de Carnaval.  Sem representante legal ainda definido pelo judiciário, a escola não pode receber a subvenção municipal, o que tornou quase impossível a missão de botar o carnaval na rua.

Nesta manhã, o desembargador Ferdinaldo do Nascimento indeferiu o pedido de Carlos Fernando Leandro, atual presidente, para ser nomeado em caráter de urgência como administrador da Caprichosos, o que mantém a agremiação sem um comando oficial e inviabiliza o desfile. Em carta aberta, o dirigente anunciou que a azul e branco de fato não desfila em 2018.

“Hoje o Desembargador se pronunciou a respeito do processo da nossa querida Caprichosos.

1) Percebendo que foi induzido ao erro, ele decidiu em CARÁTER DE URGÊNCIA E RISCO DE DANO DE DIFÍCIL REPARAÇÃO, restabeleceu o efeito suspensivo reconhecendo que os meus títulos são válidos, títulos esses que foram homologados por um Conselho Deliberativo legítimo averbado no RCPJ/RJ, publicado em diário oficial e respeitando o Estatuto da Escola.

2) INFELIZMENTE ele indeferiu o pedido para me nomear administrador da Escola até o trânsito em julgado do processo (até o processo acabar). É MUITO TRISTE mas não há tempo hábil para se resolver mais nada e por determinação da LIESB a Caprichosos está IMPEDIDA de desfilar no carnaval de 2018.

3)Desde março de 2017 venho fazendo tudo que eu posso, com o maior amor e carinho, gastando do meu próprio bolso, reformando nossa quadra, quitando dívidas, para que a nossa querida Caprichosos saia do buraco e apresente um carnaval digno! Pagando advogado para livrar a Escola definitivamente das mãos do Paulo de Almeida, Maria Alice Ramos, Gilberto Nilo e Daniel Bornéo.
O advogado também está tendo bastante trabalho para fazer a defesa dos processos trabalhistas e execuções cíveis oriundos da má administração dos nomes citados a cima.

Acredito muito em Deus e na espiritualidade, estamos sofrendo agora, mas tenho CERTEZA que tudo se resolverá!!!

Att. Carlos Leandro.”

Carlos moveu o processo em 2013 solicitando anulação de 64 títulos de sócios patrimoniais que teriam sido emitidos ilegalmente pelo então conselho deliberativo. Os sócios patrimoniais elegem um presidente a cada triênio. Já houve decisão em segunda instância, mas a ação ainda depende de julgamento de recurso.

– Como existe esse processo discutindo a validade dos títulos desde 2013, eu fui eleito, mas o RCPJ (Registro Civil das Pessoas Jurídicas) está esperando o desfecho do processo para que a ata da eleição seja registrada. Mas desde 2014 (quando Gilberto Nilo assumiu a presidência da Caprichosos) não havia ata registrada – disse Leandro.

LIESB prevê rebaixamento

Se não desfilar, a Caprichosos de Pilares já está automaticamente rebaixada. A escola tem uma dívida que chega aos R$ 300 mil só pelas cartas de créditos, sem contar os processos trabalhistas, execuções cíveis e contas bancárias bloqueadas.

Da política, a Caprichosos de Pilares tirou inspiração para os seus carnavais mais brilhantes, com o toque crítico e bem-humorado do carnavalesco Luiz Fernando Reis, nos anos 1980. Agora, décadas depois, é justamente a política, fonte das melhores sacadas já vistas na escola, que aparece como ativo central na derrocada de uma bandeira tão importante. Consagrada ‘campeã do povo’ no passado, a azul e branco pode ter no presente um terceiro rebaixamento consecutivo e uma vergonha jamais registrada pra ela.

A temporada de 2018 reserva mais um capítulo de um inferno astral que não parece ter fim. A representante de Pilares, bairro da Zona Norte, vem de duas quedas de grupo seguidas e desfila – ou desfilaria – no Grupo de Acesso C, que é a quarta divisão da festa, na Segunda-feira de Carnaval.

A briga de poder envolve situação, comandada por Carlos Fernando Leandro, filho e neto dos ex-presidentes Alberto Leandro e Fernando Leandro, e a oposição, que tem Paulo de Almeida, também ex-presidente da Caprichosos, como nome mais conhecido. De sentença em sentença, liminar em liminar, a azul e branco vai minguando.