Vai de 99? App de transporte negocia patrocínio para o Carnaval do Rio

Por Redação

A Empresa de Turismo do Município do Rio (Riotur) iniciou nesta quinta, 6, uma corrida de negociações que pode vir a ser — literalmente — uma mão na roda para as 14 escolas de samba do Grupo Especial do Carnaval carioca.

Presidente da Riotur, Marcelo Alves se reuniu para uma primeira conversa com os responsáveis pelo aplicativo de transportes 99 (antigo 99 Táxi) para tentar preencher a lacuna financeira deixada pela maior concorrente, a Uber, que na semana passada quebrou o contrato que havia firmado para patrocinar as agremiações pelo segundo ano consecutivo.

A expectativa é de que o valor pago pela possível nova apoiadora seja de R$ 7 milhões, o equivalente a R$ 500 mil para cada uma das instituições que desfilarão em março na Marquês de Sapucaí. A quantia complementaria o total de R$ 1 milhão que, segundo os dirigentes das escolas, teria sido prometido pela prefeitura do Rio, independentemente da participação de uma empresa privada na jogada.

App 99 pode patrocinar Carnaval do Rio com quantia semelhante a da Uber: R$ 7 milhões | Foto: Divulgação

Em nota (leia o texto na íntegra ao fim da reportagem), a Riotur explica que a expectativa para este aporte contava com a grana da agora ex-patrocinadora e que, por isso, está tentando custear o espetáculo de outra maneira. A organização também destaca que a administração municipal faz a sua parte mantendo o Sambódromo sob seus cuidados e tratando de assuntos relacionados à manutenção da estrutura do local.

Luz no fim do túnel para ensaios técnicos

A assessoria de imprensa da Riotur também revelou ao Sambarazzo que a Light, concessionária responsável por fornecer energia elétrica para a chamada “Cidade Maravilhosa”, poderá ajudar a bancar o retorno dos ensaios técnicos no período pré-carnavalesco. A ideia é que a empresa colabore com R$ 3,5 milhões, o que ainda não está definitivamente fechado.

A temporada de “treinos em campo de jogo” aconteceu pela última vez às vésperas do Carnaval de 2017 — há quase dois anos —, o que tem deixado os sambistas um tanto saudosos.

Ensaios técnicos podem estar de volta no ano que vem com patrocínio da Light | Foto: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Presidente da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), Jorge Castanheira afirmou em diversas ocasiões que chegava a R$ 4 milhões o valor das despesas dos ensaios no Sambódromo. A entrada sempre foi gratuita para o público, e mudar esta condição não pareceu, até aqui, uma possibilidade para os dirigentes.

Guerra publicitária entre Apps

Rivais declaradas no mercado, a 99 e a Uber têm travado uma briga para disputar a preferência de motoristas, clientes e também do mercado publicitário.

Em junho, a frota de amarelinhos (e mais recentemente de carros executivos, com o 99POP) levou a melhor sobre a companhia americana em uma disputa judicial. A discussão era em torno de um anúncio em que a 99, que tem origem no Brasil, comparava os preços de suas corridas com os da Uber, que chegou aos smartphones do país com maior antecedência e não conseguiu fazer com que as propagandas que ameaçavam sua hegemonia parassem de ser veiculadas.

De olho no potencial carioca para inflar ainda mais as cartelas de usuários, as duas empresas passaram a investir em programações culturais e em festas populares que mobilizam milhões de moradores e turistas.

Além do Carnaval das escolas de samba e da folia dos blocos de rua em 2017, a Uber bancou este ano parte da realização da “Parada Gay” de Copacabana, na Zona Sul da cidade. Já a 99 investiu no entorno da Árvore do Rio, instalada na Lagoa Rodrigo de Freitas durante o período natalino, e está garantindo passeios de pedalinho gratuitos aos visitantes.

99 e Uber patrocinam, respectivamente, a Árvore do Rio e a Parada LGBT de Copacabana | Fotos: Alexandre Macieira/Riotur e Tata Barreto e Fred Pontes/Divulgação

 

Leia a nota oficial da Riotur, na íntegra:

“As conversas realizadas entre a prefeitura e os representantes das escolas do grupo especial previam um aporte de R$ 1 milhão para cada agremiação. Os recursos que viabilizariam a subvenção seriam divididos entre a municipalidade (R$ 500 mil) e o patrocínio da Uber captado pela Riotur (R$ 500 mil).

Ao longo dos últimos sete meses, ocorreram reuniões com a Uber, que firmou um contrato com a Riotur que, como noticiado na semana passada, foi rescindido por ordem do setor de compliance da matriz americana em virtude da operação Furna da Onça, que acarretou a prisão de Chiquinho da Mangueira, deputado estadual e presidente de uma das agremiações do Grupo Especial.

Cabe ressaltar que a prefeitura realiza a cessão do Sambódromo, bem como de serviços de iluminação, ordenamento público e limpeza, entre outros, para a realização dos desfiles, com todos os custos cobertos pelo município.

A Riotur ainda segue dialogando com diversas empresas, tendo realizado hoje uma reunião com a empresa 99, para complementar o aporte para as escolas do grupo especial.”