Vai ter Carnaval! Temer garante R$ 13 milhões às escolas: ‘Vou mandar resolverem!’

Por Redação

Presidente da República, Michel Temer abriu uma vaga na agenda nesta terça-feira, 25, para dialogar com uma comitiva do Carnaval do Rio, que foi a Brasília pedir pela festa, que ficou ameaçada a partir do momento em que o prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), alegou ter outras prioridades e por isso teria de cortar pela metade a subvenção de R$ 2 milhões para cada escola do Grupo Especial carioca.


Vitória para o samba! O presidente Michel Temer prometeu socorrer as escolas de samba na reunião com dirigentes e representantes da festa em Brasília
Temer ficou reunido com dirigentes e representantes de agremiações do Rio por trinta minutos e disse reconhecer o evento como expressão máxima da cultura brasileira. E ainda complementou o breve discurso com o que o povo do samba gostaria de ouvir: garantiu a verba que faltava para que o chamado “maior espetáculo da Terra” aconteça de forma próspera e grandiosa. Para isso, disse que vai recorrer aos ministérios da Cultura e do Turismo.

Temer ouviu o presidente da Liesa, Jorge Castanheira, e os representantes das escolas de samba do Rio

– O presidente falou que está do lado da verdade, e que isso guiará para um futuro próspero. Disse que sente o Rio de Janeiro um pouco desanimado, mas quer que o Carnaval traga de volta a animação à cidade. E reconhece o Carnaval como expressão máxima da nossa cultura e ainda disse que podemos contar com a verba do Ministério da Cultura e do Turismo. Ele falou: ‘Vou mandar eles resolverem’ – revela o comentarista de carnaval da Globo Milton Cunha, um dos seletos convidados para o encontro com o presidente.

Figura das mais influentes do Carnaval carioca, Milton Cunha discursou no encontro com Temer: ‘0 Rio de Janeiro sem o desfile das escolas de samba é um corpo sem espírito’ I Foto: Sambarazzo

Na reunião, que aconteceu a portas fechadas, discursaram o deputado federal Pedro Paulo (PMDB-RJ), o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba, Jorge Castanheira, e o próprio Milton Cunha, que defendeu a relevância do evento.

– Pedro Paulo discursou sobre a importância cultural do Carnaval. Em seguida, o Castanheira falou da importância econômica do Carnaval, ressaltando a rede hoteleira e índices de turismo, e do perigo de ter a verba reduzida, disse que o Carnaval passa por uma situação crítica. Depois, passaram a palavra pra mim e falei que a cidade do Rio de Janeiro sem o desfile das escolas de samba é um corpo sem espírito. Vai faltar a identidade da nossa alegria – completou.

A porta-bandeira Selminha Sorriso, da Beija-Flor, e Tia Surica, pastora da Velha Guarda da Portela, também participaram do encontro com o presidente

Temer garantiu os R$ 13 milhões que a prefeitura cortou

Ainda em Brasília, a comitiva carnavalesca foi acompanhar a posse do novo ministro da Cultura, o carioca Sérgio Sá Leitão, que já havia sinalizado que articularia formas de ajudar financeiramente as escolas.

– O Castanheira apresentou os números ao presidente, mostrou o déficit de R$ 13 milhões. Apesar de o prefeito Crivella ter assinado uma carta de compromisso pra tentar conseguir os recursos com a iniciativa privada, o Castanheira explicou que não havia garantia de nada. E o Temer disse que o ministério do Turismo e o da Cultura vão arranjar o dinheiro – finalizou Milton Cunha ao Sambarazzo.

Com a promessa de Temer, o Grupo Especial receberá um total de R$ 26 milhões (prefeitura e governo), mesmo valor da última temporada. A Riotur havia se comprometido a captar junto à iniciativa privada R$ 500 mil para cada escola, mas a verba era incerta.

*Foto de capa: Divulgação/Orlando Brito