Tags Artigos com tags "desfile da Grande Rio"

desfile da Grande Rio

Por Redação

Cem por cento envolvida com o enredo sobre o centenário do apresentador Abelardo Barbosa, o Chacrinha, a Acadêmicos do Grande Rio resolveu transformar seu camarote no Sambódromo em palco para homenagear um dos maiores comunicadores da história da TV brasileira.

Contando com a produção da Diverti, importante agência do mercado de eventos no Brasil – e um timaço de estrelas, como Juliana Paes -, o Camarote Grande Rio vai proporcionar ao público a possibilidade de estender a festa da pista de desfiles para seu concorrido espaço nobre na Sapucaí.

Rainha da “nvocada”, Juliana Paes é presença certa no camarote da Grande Rio – Foto: Rodrigo dos Anjos/Divulgação

Camarote terá “Cassino do Chacrinha”

A atriz que ganhou as atenções do país este ano como a perigosa Bibi, da novela “A Força do Querer” (Rede Globo), vai ocupar no Carnaval 2018 dois dos mais cobiçados postos da festa: além de rainha de bateria, a beldade acaba de ganhar o título de musa do camarote da agremiação.

Além de Juliana, quem promete roubar a cena na Passarela do Samba é o ator Stepan Nercessian, intérprete do “Velho Guerreiro” no teatro e na TV, e que vai desfilar como o carismático personagem também nas dependências do camarote, onde vai comandar o “Cassino do Chacrinha”, apresentando as atrações da noite.

Stepan vive o Chacrinha no teatro e vai reeditar o personagem no camarote da Grande Rio na Avenida – Foto: Divulgação

Uma reprodução do palco que consagrou grandes nomes da música nacional será montada no Camarote Grande Rio, que nos intervalos dos desfiles das escolas vai receber muitas atrações, como a banda Blitz (liderada por Evandro Mesquita), que foi projetada ao sucesso através do programa do Chacrinha, com direito a chacretes para animar o espetáculo.

Camarote Grande Rio será ‘All Inclusive’ e servirá até café da manhã

No último Carnaval, a Grande Rio comercializou pela primeira vez o camarote, antes restrito apenas a convidados. Para 2018, com a expertise da Diverti, que assumiu a direção do espaço de 1.000 metros quadrados, a escola vai oferecer ainda mais opções de lazer e entretenimento. Além de selecionado buffet, o camarote inova o serviço de bar com paredão de autosserviço de destilados e chope. O formato “all inclusive” funcionará a noite toda.

Quem for curtir os dias de folia no Camarote Grande Rio vai encontrar muita diversão, conforto, além de um cardápio variado de pratos frios e quentes, com direito a jantar no início da festa e até café da manhã.

Vendas já começaram

Além de tantas mordomias para cativar o público, o Camarote Grande Rio ainda seduz pelo bolso, já que oferece, em lote promocional, o preço mais em conta entre os espaços VIPs do Sambódromo carioca: para domingo e para a segunda-feira de Carnaval, dias 11 e 12 de fevereiro, o ingresso custa R$ 1.390 por data. Já para o Sábado das Campeãs, quando desfilam as seis melhores colocadas, o valor é R$ 1.290. As vendas acontecem pelo site http://www.totalacesso.com/.

Com o enredo “Vai para o trono ou não vai”, de autoria dos carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage, a Grande Rio será a quinta escola a desfilar, no Domingo de Carnaval.

Por Redação

No último fim de semana, a Grande Rio foi uma das convidadas das “24 de horas de samba”, evento que reúne escolas do Rio e de São Paulo em shows que duram um dia inteiro sem parar. Durante a exibição da “Invocada”, o mestre Thiago Diogo resolveu botar a ritmista Jeane, que toca Chocalho, para ser uma espécie de substituta da rainha de bateria Juliana Paes.

Junto do mestre no púlpito do comando da bateria, Jeanne Alessandra arrancou vibrações e aplausos de quem esteve na quadra da Mocidade Alegre no último domingo, 1°. Confira o vídeo da moça dizendo no pé.

– Ela é nossa bailarina oficial – diz Thiago Diogo, que sempre faz questão de convocar a percussionista pra dançar ao lado dele no palco.

Por Redação

A estonteante Juliana Paes, a “Bibi Perigosa” de “A Força do Querer”, roubou a cena na final de samba-enredo da Grande Rio, realizada na madrugada deste domingo, 3. É que ela foi coroada rainha de bateria da “Invocada” e roubou a cena em Caxias, na Baixada Fluminense.

Com direito a duas aparições no palco, a majestade primeiro foi apresentada pelo intérprete Emerson Dias, que cantou “Emoções” de Roberto Carlos, mas quem caiu na emoção foi a rainha, radiante pela festa em Caxias.

Após os sambas concorrentes e antes do anúncio do samba, “Bibi” finalmente assumiu o reinado, coroada pela ex-rainha Paloma Bernardi, que fez questão de passar o coroa, faixa e bastão para a sucessora.

– A saudade falou mais alto. Naquelas conversas antes de eu desfilar, a gente conseguiu chegar num consenso. Eu me senti tão acolhida, tão bem recebida, eu tô sem saber o que falar. O que eu tinha pra falar, eu esqueci. Vou tentar agradar o máximo possível.

Pra resumir a chegada na Grande Rio, ainda no palco, Juliana disse:

– A Invocada é foda – resumiu Juliana Paes pra logo dizer que o maridão – o empresário Carlos Eduardo Baptista – tinha pedido pra ela não falar palavrão. Adiantou nada kkkkk.

A rainha ainda deu uma cutucada de leve no prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, que decidiu recentemente cortar em 50% a subvenção municipal às escolas de samba.

– Espero que nosso prefeito possa entender que carnaval é festa da arte, da cultura, e uma festa do amor, e precisa do apoio, sim, da prefeitura. o turismo que a gente traz é lindo, a energia que a gente coloca na Marquês de Sapucaí não tem preço que pague

Fotos: Marcello Sa Barretto, Rodrigo dos Anjos e Daniel Pinheiro/AGNews

 

 

Fotos: Irapuã Jeferson

Por Redação

Ainda faltam duas semanas, mas a rainha de bateria da Grande Rio, a atriz Juliana Paes, já tá toda ansiosa para o dia da grande final de samba-enredo da tricolor e também o da coroação dela como realeza máxima da bateria ‘Invocada”. É que os dois acontecimentos rolam na mesma data, 2 de setembro, daqui a dois sábados, na quadra em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Nas redes sociais, a beldade – protagonista da novela das nove da TV Globo “A Força do Querer” – já lançou o convite pra comunidade lotar a sede da Grande Rio. Vale prestigiar a coroação de Juliana e conhecer a trilha sonora oficial do enredo “Vai para o trono ou não vai?”, em homenagem ao apresentador de TV Abelardo Barbosa, o Chacrinha, de autoria dos carnavalescos Renato e Márcia Lage, estreantes na escola.

No início do ano, antes de virar rainha de bateria, Juliana Paes foi à Feijoadíssima da Grande Rio e caiu no samba pra delírio da turma da “Invocada” – Foto: Rodrigo Mesquita

Em maio, após algumas tentativas da diretoria da Grande Rio, Juliana Paes topou o convite pra ser rainha de bateria e, mesmo balançada por causa dos compromissos profissionais e da maternidade – ela é mãe de dois meninos, Antônio e Pedro -, considerou irresistível o chamado do presidente de honra da escola, Jayder Soares, e disse o esperado sim à tricolor de Caxias.

Ela entrou no lugar da também atriz Paloma Bernardi, que teve dois anos de reinado à frente dos ritmistas de mestre Thiago Diogo.

Dá um confere no vídeo de Juliana:

Por Redação

Uma tendência natural do Carnaval moderno e mais profissional é uma espécie de livre mercado envolvendo as escolas de samba e os artistas, que, juntos, fazem um espetáculo capaz de movimentar bilhões de reais na economia brasileira e fluminense. A valorização financeira gradativa de casais, coreógrafos, cantores, carnavalescos e mestres de bateria dá margem a uma concorrência saudável pelos melhores da festa, mesmo com a conhecida irmandade entre as agremiações.

E se realmente a comparação não cabe com os tempos mais românticos, sobra ao povo do samba compreender a atualidade e se acostumar às frequentes mudanças nas equipes de carnaval. Inegavelmente, as escolas que menos mudam têm obtido mais sucesso nas últimas competições. Beija-Flor, Salgueiro e Tijuca servem de exemplo neste quesito, pelo menos até 2017. Nem mesmo esse trio resistiu e também fez alterações no time. A única que se ausentou no troca-troca foi a Imperatriz, que renovou com geral pra 2018. A campeã das trocas foi a Vila Isabel, que montou uma equipe toda nova praticamente.

De olho no campeonato de 2018, as escolas de samba mexeram como nunca nos quadros

A temporada 2017/2018 de entressafra gerou 31 alterações em todas as escolas de um carnaval para o outro no Grupo Especial. Um número 24% maior do que no ano passado, quando aconteceram 25 trocas. De 2015 para 2016, foram apenas 18 mudanças. Em dois anos, houve um crescimento de 72% no tal troca-troca.

Vamos acompanhar como cada escola se modificou para o Carnaval 2018:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A DANÇA DAS CADEIRAS


 

 

 

Por Redação

Não é de hoje que a irmandade entre as escolas de samba é uma vocação dos dirigentes do Carnaval. Por uma questão de gratidão, por exemplo, o presidente da São Clemente, Renato Almeida Gomes, o Renatinho, está na torcida para que a Grande Rio finalmente vença o Grupo Especial. Tal feito seria encarado por ele como um ‘sonho’ realizado.

O mandachuva da São Clemente explica que é uma questão de merecimento pelos esforços do presidente de honra da tricolor, Jayder Soares.

– O Jayder é um louco apaixonado pelo Carnaval, é tarado pela Grande Rio. Se disserem pra ele que tem um cavalo que é a sensação do momento, ele corre lá e paga, porque a Grande Rio merece o melhor. Acho que, de todos, ele é o mais apaixonado pelo Carnaval. Por isso, merece ser campeão. Meu sonho é ver a Grande Rio campeã. Jayder foi o cara que mais trouxe marcas de peso para o Carnaval, como Ambev, Vale do Rio Doce, Nestlé… Trouxe e fez grandes carnavais. É uma escola nova, mas que não deve nada a ninguém. Os artistas, que muita gente reclama, dão um estrelato bom. Os reis devem ser sempre os sambistas, mas os artistas são um show à parte, todo mundo quer ver. Quem disse que não, tá mentindo – revela Renatinho, que mantém a São Clemente há sete anos na elite. A escola dele, assim como a Grande Rio, nunca venceu no Especial.

Presidente da São Clemente elogia mandachuva da Grande Rio, Jayder Soares: ‘Ele é o mais apaixonado por Carnaval, merece ser campeão’ – Fotos originais: Vicente Rodrigues e Rafael Arantes

Além do merecimento levantado pelo dirigente, há também nessa torcida uma pegada de gratidão por tudo que a Grande Rio já fez pela São Clemente anos atrás. Ao lembrar do passado, Renatinho fala também de Anísio, da Beija-Flor.

– No início da estrutura da São clemente, de 1998 pra cá, ele (Jayder) e o Anísio (Abraão David, presidente de honra da Beija-Flor) ajudaram a gente. Primeiro carro motorizado foi o Anísio que deu. Eu pegava todas as estruturas dele. Aí, ele me apresentou ao Jayder, e comecei a pegar tudo dele também, que sempre foi generoso e estendeu a mão pra me ajudar. Acho que um dos caras mais sonhadores e investidores do Carnaval é o ‘Seu’ Jayder. Se a Grande Rio ganhasse, ele ia ficar feliz igual criança com bala na boca. Todos os dirigentes sabem o investidor que ele é. Hoje a São Clemente já não precisa mais de tanta ajuda. Adquiri o respeito dos dirigentes, são pessoas bacanas, conversam bastante comigo. Anísio foi o que mais me ajudou depois que o meu pai morreu (Ivo da Rocha Gomes, fundador da São Clemente) – conta.

Fora as ações pelo Carnaval e pela São Clemente, o dirigente da escola de Botafogo lembra de uma ajuda pessoal que o presidente de honra da Grande Rio deu a ele e à família.

– Uma coisa que não esqueço nunca foi do Natal de 2002. A gente (a família de Renatinho) tava quebrado. Seu Jayder foi lá e me deu um presente, deixou uma merreca pra fazer o Natal lá de casa, disse que era pra podermos fazer o Natal que sempre fizemos. A gente colocava umas 40 pessoas lá em casa, era um evento muito bonito, tradicional já. Seu Jayder descobriu que a gente estava triste e me procurou pra ajudar. Foi lá em casa, em Botafogo, levar a ajuda. Ficamos todos sem graça – recorda.

Boato sobre morte de Anísio no Carnaval 2015 deixou Renatinho abalado: ‘Desfilei mal’ – Fotos: Irapuã Jeferson e Felipe Araújo

Há alguns anos, um boato de mau gosto tomou conta da Sapucaí durante os desfiles do Grupo Especial: Anísio Abraão David teria morrido em casa. A mentira se espalhou e atingiu Renatinho, que mal conseguiu desfilar, abalado pela notícia que corria.

– Desfilei mal. Me pegaram. Todo mundo me pedindo ‘calma, meu irmão’. Nem desfilei com camisa. Quase desfilei mijado, troquei de roupa. Boato na Avenida toda. A São clemente ia entrar, sacanagem. É um cara que a gente ama – se declara o dirigente.

A Grande Rio já foi vice-campeã do Carnaval três vezes – 2005, 2006 e 2010 – e já venceu o Grupo de Acesso em 1992. A melhor posição da São Clemente no Especial foi um 6° lugar em 1990. A escola, no entanto, é tetracampeã da principal divisão de acesso – ganhou em 1966, 2003, 2007 e 2010.

Por -

Por Redação

Fim da linha para o período mais misterioso do Carnaval: o da escolha dos enredos. Todas as 13 escolas do Grupo Especial já sabem – e todo mundo também – sobre o que vão falar no próximo desfile.

O resgate de temas críticos se destaca. Pelo menos cinco enredos abriram as portas a reflexões de toda sorte, seja de caráter social ou cultural. Racismo (Tuiuti), xenofobia (Portela), preconceito contra mulheres (Salgueiro), desigualdade social (Beija-Flor) e até um debate mais profundo sobre os destinos da festa na Sapucaí, com a Mangueira. Outras narrativas históricas e culturais também compõem uma safra de enredos digna de aplausos.

DOMINGO

Na estreia pelo Império Serrano, o carnavalesco Fábio Ricardo aposta na cultura milenar da China para manter a verde e branco nove vezes campeã da festa na elite. A ideia é mostrar, além da riqueza histórica dos chineses, que a escola da Serrinha e o país asiático têm mais coisas em comum do que se possa imaginar.

 

 

Jorge Silveira estreia no Especial e leva pra Avenida “Academicamente popular”, sobre os 200 anos da escola de belas artes do Rio de Janeiro, a mais importante da América latina. A sacada do artista é levar as artes plásticas ao público, com uma linguagem popular, alegre, mas cheia de conteúdo histórico que o tema exige.

 

Atual campeão pela Portela, Paulo Barros foi para a Vila Isabel e vai transportar todo mundo na Sapucaí pra tempos que ainda virão. “Corra que o futuro vem aí” promete esbanjar tecnologia e impactar com muitas imagens de leitura direta e objetiva. Pra onde vamos? Como será o amanhã? Perguntas que a Vila se propõe a responder em ritmo de samba em 2018.

 

 

Na Tuiuti, Jack Vasconcelos propõe reflexão com “Meu Deus, Meu Deus. Está extinta a escravidão?”. Após 130 da Lei Áurea, os negros ainda vivem sob as amarras do racismo e da falta de igualdade das oportunidades -uma “bondade cruel”, como definiu o carnavalesco na sinopse. Uma leitura histórica, imersa numa crítica atualíssima.

 

 

O renomado casal de carnavalescos Renato e Márcia Lage e a Grande Rio brindam com alegria a Sapucaí no Domingo de Carnaval. “Vai para o trono ou não vai?” homenageia José Abelardo Barbosa, o gigante Chacrinha, um dos maiores comunicadores da história da televisão brasileira e figura emblemática da cultura nacional.

 

 

Leandro Vieira meteu o dedo na ferida. “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco” critica os destinos escolhidos pelo Carnaval e desbrava os porquês do evidente distanciamento popular das escolas. Reflexão imediata a partir do corte de verba da prefeitura de Marcelo Crivella, que não será poupado no desfile.

 

Atual campeão, Alexandre Louzada aposta na mesma fórmula vitoriosa de 2017. Pra quem uniu Brasil e Marrocos num desfile vencedor, “Namastê… A estrela que habita em mim, saúda a que existe em você” forma um elo do nosso país com a exuberante Índia do gigantesco Mahatma Ghandi.

 

SEGUNDA

O multifacetado Miguel Falabella é o dono dos holofotes da Tijuca em 2018. Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo lançam “Um Coração Urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem”, que mostra vida e obra do artista, um dos grandes escritores nacionais de entretenimento do país.

 

 

 

Em sua volta à Portela, a professora Rosa Magalhães dá mais uma aula com “De repente de lá pra cá e dirrepente daqui pra lá”. Uma crítica atual que aborda intolerância e xenofobia dentro de uma história encantadora de judeus fugidos da Europa, com destino ao Nordeste do Brasil, que contribuíram na formação de Nova York.

 

 

Severo Luzardo põe a mesa, a Sapucaí come com os olhos e a União da Ilha experimenta um enredo sobre culinária: “Brasil bom de boca”. A ideia é mostrar os hábitos alimentares do brasileiro, passando pela influência estrangeira em nossos pratos. Da mesa de jantar ao galpão do boteco, tem pra todos os gostos.

 

 

 

Sob o comando artístico de Alex de Souza, o Salgueiro se reencontra com um tema afro. “Senhoras do ventre do mundo” exalta históricas mulheres negras, que, apesar de seus feitos, tinham de lidar com o preconceito em suas épocas. Embora não seja focado na crítica, o enredo deixa uma mensagem contra a intolerância.

 

 

 

Pela Imperatriz, Cahê Rodrigues faz “Uma noite real no Museu Nacional”, contando a história de 200 anos do espaço cultural, artístico e científico do Rio de Janeiro. O palácio serviu de casa para a família real, o que deve devolver à Imperatriz a cara suntuosa da década de 1990, quando a escola levou quatro campeonatos.

 

“Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu” é o enredo que vai fazer a Beija-Flor não se esconder da reflexão ante o dramático cenário de desigualdades, injustiças e amarguras sociais que emolduram a história brasileira. Um tema atual e mais um a lançar críticas sociais abrangentes.

 

O Carnaval do Grupo Especial começa em pouco mais de seis meses, a partir do dia 11 de fevereiro.

 

Foto de capa: Cezar Loureiro/Riotur

Por Redação

No último sábado, 15, foi dado o primeiro tapa no Carnaval 2018. Definidas as posições de desfile, mesmo que o posicionamento não seja o esperado, a tática comum é não abrir mão da auto-estima lá em cima. É o caso da Grande Rio, que estava muito de olho num horário nobre da Segunda-feira. Mas, pela quinta vez consecutiva, a sorte não sorriu pra turma de Caxias, e o domingão, primeiro dia de Especial foi o que o destino reservou. A quinta posição, no entanto, parece que caiu bem.

 

A Grande Rio desfila no Domingo de Carnaval desde 2014. A próxima temporada marca o quinto desfile seguido na primeira noite de apresentações. O presidente Helinho de Oliveira nem quis saber de lamentar.

– Todos os 13 presidentes querem segunda, mas se cair o domingo é bem-vindo também. A colocação é muito boa, e bola pra frente. Chacrinha é um enredo maravilhoso. Otimismo tá em dia, tem que tá, senão eu paro de fazer Carnaval. No dia que eu não estiver emocionado, eu largo – comentou.

Para o presidente Milton Perácio não repetir o segundo posto de Domingo já valeu a pena, mesmo que não esconda a predileção pela Segunda-feira.

– Infelizmente, é a sorte. Mais uma vez vamos desfilar no Domingo, mas é uma posição boa – disse o presidente Milton Perácio.

A preferência não é à toa, afinal de contas, 81% das campeãs da Era Sambódromo saíram da Segunda-feira de Carnaval.

Antes do sorteio, o carnavalesco Renato Lage chegou a dizer que ”o ideal é o quarto lugar de Segunda-feira’. Reservando ao reverenciado artista o Domingo de Carnaval, o sorteio não tirou o ânimo do tetracampeão.

– A ordem dos fatores não altera o produto – resumiu.

O casal Lage durante a festa do sorteio da Liesa no último sábado, 15 – Foto: Sambarazzo

“Vai para o trono ou não vai?”, de Renato e Márcia Lage, que homenageia Chacrinha, um dos maiores comunicadores da história da TV brasileira, é o enredo da Grande Rio para o ano que vem.

Foto de Capa: Sambarazzo/Tatá Barreto – Riotur

Por Redação

A sorte foi lançada. As 13 escolas do Grupo Especial conheceram na noite deste sábado, 15, a posição exata em que vão desfilar no Carnaval 2018. Mas Mocidade e Tuiuti foram além do sorteio, que rolou durante a quarta edição da Carnavália Sambacon, no Centro do Rio, e resolveram, em comum acordo, trocar as posições sorteadas nas bolinhas.

O apresentador da Liesa, Jorge Perlingeiro, com o vice-presidente da Mocidade, Rodrigo Pacheco, e o presidente da Tuiuti, Renato “Thor. Entre eles, ainda, o presidente da Unidos da Tijuca, Fernando Horta – Foto: Irapuã Jeferson

A verde e branco perdeu a disputa entre os pares com a Portela e ficou no Domingo, enquanto a Tuiuti nem testou a sorte, já que estava previamente posicionada como a última escola do primeiro dia, mas livre para alterar, caso quisesse. E assim foi. Mocidade passou ao derradeiro posto, enquanto a representante de São Cristóvão ficou na quarta posição da noite de abertura do Grupo Especial.

Vice-presidente da Mocidade, Rodrigo Pacheco queria a Mocidade com a concentração em frente ao prédio dos correios, e o presidente da Tuiuti, Renato “Thor”, tava de olho num horário um pouco mais cedo.

– Pra gente é melhor, a gente já tem uma estrutura montada pra desfilar nos Correios, teríamos que montar uma estrutura nova no Balança. E a questão de horário também, pra Tuiuti era melhor, ele (Thor) queria desfilar mais cedo, chegamos a um denominador comum. Não houve resistência dele. A gente já deixou ajustado desde antes – revelou Rodrigo Pacheco.

Com a última posição de domingo já garantida, “Thor” era possivelmente o dirigente menos ansioso entre todos da noite de sábado. Ao fim das contas, bom pra ambas as partes.

– Tô numa posição confortável. O que for bom pra gente, a gente troca. Mas vamos fazer um belíssimo Carnaval para que a Tuiuti seja vista como uma escola do Grupo Especial. Infelizmente, aconteceu o que aconteceu ano passado… acidentes acontecem. Eu não trabalhei um ano inteiro para aquilo acontecer. Mas repito hoje aqui. A Tuiuti é uma escola do Especial e quem esperar vai ver – disse “Thor” pouco antes do sorteio.

As duas escolas de samba já têm enredo. Enquanto a Mocidade vai exaltar a Índia, país da Ásia Meridional, com “Namastê: a Estrela que habita em mim, saúda a que existe em você”, de Alexandre Louzada, a Tuiuti lança um tema capaz de fazer refletir: ‘Meu Deus! Meu Deus! Está extinta a escravidão?”, de Jack Vasconcelos.

O Carnaval 2018 está marcado para a segunda semana de fevereiro, a partir do dia 9 (Sexta-feira).

 

Por -

Por Redação

A Beija-Flor de Nilópolis conta com um time que reúne algumas das figuras mais famosas do Carnaval, como Neguinho da Beija-Flor e Selminha Sorriso. Mas o nome da escola a roubar a cena na noite deste sábado, 15, foi o de um cara pouco conhecido do público: Almir José Reis.

Atuando nos bastidores da azul e branco – ele é diretor financeiro da agremiação -, coube ao dirigente a missão de tirar do globo de sorteio as bolinhas que definiriam a ordem da Beija nos desfiles das escolas de samba do Grupo Especial e a data de apresentação. A sorte sorriu tanto para Almir, que ele acabou sendo a estrela do evento, que rolou durante a quarta edição da Carnavália Sambacon, no Centro do Rio.

Almir conseguiu a façanha de sortear, nas duas oportunidades que teve, as bolas mais altas possíveis (10, e posteriormente 6), que colocaram a Beija-Flor de Nilópolis onde ela queria: encerrando o Carnaval 2018, sendo a sexta e última escola a desfilar no Sambódromo carioca.

– Nem dormi direito. Quando soube que seria eu a sortear, há duas semanas, já não consegui mais dormir direito, é muita responsabilidade. Fiquei nervoso na hora de tirar a bolinha, qualquer um ficaria – revelou ao Sambarazzo.

Foto: Sambarazzo
Sobre a dose elevada de sorte testemunhada pelos convidados e que impressionou os demais dirigentes, ele diz não ter sido exatamente uma surpresa: ele se intitula um sujeito sortudo.

Chiquinho da Mangueira, à direita, tirou a bola 9 e, como a maioria dos presentes, já achou que o “jogo” estava ganho. Mas a sorte de Almir falou mais alto, e ele tirou a bola 10, podendo escolher o dia da Beija-Flor entrar na Avenida: Segunda-Feira de Carnaval | Foto: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

– Acho que isso foi resultado de amor mesmo ao Carnaval. A gente faz com tanto carinho, que acontece. Mas já me considero uma pessoa de sorte. Comprei uma rifa que nem queria uma vez, por insistência de uma senhora em Nilópolis, e não é que ganhei uma cesta básica? – lembrou.

Foto: Eduardo Hollanda

Quem curtiu a mão santa de Almir foi Neguinho da Beija-Flor, que, gaiato toda vida, pediu ao amigo as seis dezenas da Mega Sena.

– Me dá o número, porque sorte assim eu nunca vi – comentou, às gargalhadas.

Patrono da azul e branco, Anísio Abraão David foi outro a celebrar o desempenho de Almir.

– Ele já ligou, gritou no telefone. Foi muita sorte mesmo. Juro que não rolou mandinga – brincou Almir, que nunca havia representado a Beija-Flor no sorteio.

Confira a ordem completa!

Foto: Sambarazzo

Por Luiz Felippe Reis

Uma das maiores contratações da temporada envolveu Grande Rio e o carnavalesco Renato Lage, um dos mais renomados da festa. Além do valor do artista no mercado, a dificuldade do casal Lage trocar de escola foi outro fator a tornar a aquisição a mais festejada movimentação do vai-e-vem do Carnaval 2018.

Pesou no acerto a insistência da tricolor na arte dos Lage que já vem de alguns anos. Outro quesito preponderante e que fez a diferença para Renato deixar a prioridade do Salgueiro de lado foi a não renovação prévia, o que normalmente acontecia a cada temporada na “Academia do Samba”.

– Talvez tenha sido bom pra gente e pro próprio Salgueiro. Me sinto orgulhoso de ter participado dessa virada que o Salgueiro deu nos últimos anos. Todo ano a presidente do Salgueiro renovava antes, mas este ano ela tomou uma postura diferente. A porta ficou aberta. Todo ano havia uma procura, a Grande Rio mesmo vinha com proposta, mas a prioridade era do Salgueiro. Desta vez, as propostas vieram e nós fomos conversar.  A Grande Rio foi mais incisiva, o interesse foi muito maior do que as outras, foi mais decidida. E eles tiveram prioridade, porque a Grande Rio já tinha tentado outras vezes – revelou Lage.

Maior reforço da Grande Rio na temporada, Renato Lage é a esperança da Grande Rio para o título inédito, mas ele avisa: ‘Ninguém ganha sozinho’ – Foto: Irapuã Jeferson

“Uma das grandes contratações da história”

Presidente de honra da tricolor, Helinho de Oliveira, já no Desfile das Campeãs, admitia a negociação com Renato. Hoje, já com um enredo sobre o comunicador Chacrinha em curso, e com Renato nos quadros da Grande Rio, o dirigente festeja:

– Foi uma bela duma contratação. Renato mostrou que queria se desligar do Salgueiro. Podemos considerar uma das grandes contratações em todos esses 28 anos de história.

Presidente de honra acredita que se trata de uma das maiores contratações da história da tricolor – Foto: Sambarazzo

Quem festeja também é Renato. Afinal de contas, numa escola com menos de três décadas de existência é mais fácil imprimir uma nova cara estética sem tantos traumas.

– Quinze anos já tinha um desgaste natural.  A Grande Rio ser uma escola nova… tem essa coisa de estar buscando uma nova identidade. Visualmente, já teve grandes trabalhos. Mas se ganhar um campeonato aí começa a imprimir uma identidade. Mas esse negócio da escola ser nova, de estar aberta pra uma identidade nova, combina muito com a gente, né? No Salgueiro, eu temperava, misturava um pouco. Tinha que equilibrar, eu vinha da Mocidade e tal. Eles estão empolgados aqui na Grande Rio, mas já avisei: ninguém ganha carnaval sozinho, não – frisa o artista.

Em 2017, o enredo sobre a cantora Ivete Sangalo deu à Grande Rio o quinto lugar na classificação. A tricolor vai em busca do título inédito com “Vai para o trono ou não vai?”, em homenagem a José Abelardo Barbosa, o Chacrinha.

 

Por Luiz Felippe Reis

A Grande Rio deu um passo importante rumo ao Carnaval 2018 na noite desta terça-feira, 11. É que a escola reuniu a comunidade na quadra e anunciou o enredo “Vai para o trono ou não vai?”, de autoria dos renomados carnavalescos Renato Lage e Márcia Lage. Com a presença de todos os segmentos, principais artistas da tricolor e diretoria, a representante de Caxias apresentou o título e a logo da homenagem a José Abelardo Barbosa, o “Chacrinha”, um dos maiores comunicadores da história da TV brasileira.

Na presença de Leleco Barbosa, filho de Chacrinha, a Grande Rio apresentou nesta terça-feira, 11, o enredo, que terá o talento de Márcia e Renato Lage – Fotos: Irapuã Jeferson

Sob os olhares orgulhosos do filho do ex-apresentador, Leleco Barbosa, que participou da cerimônia, os presidentes de honra Jayder Soares e Helinho de Oliveira não esconderam a satisfação com caminho definido para 2018. A festa não era para menos. Além do enredo, a Grande Rio festejou uma das maiores contratações da temporada no Carnaval, o casal de carnavalescos Lage, que foi aplaudido em cada intervenção que fez no microfone oficial da quadra, sem falar nas selfies com os fãs logo após o evento.

Além da diretoria, os principais artistas da Grande Rio estiveram presentes: o mestre de bateria Thiago Diogo, o cantor Emerson Dias, os coreógrafos Rodrigo Negri e Priscilla Mota e o casal de mestre-sala e porta-bandeira Daniel Werneck e Verônica Lima – Foto: Irapuã Jeferson

Após 15 anos de Salgueiro, os Lage aportaram na Grande Rio e bem rápido já sabiam o enredo que tocariam no Carnaval que virá. A julgar pelo título da narrativa – Vai para o trono ou não vai? -, o desfile da tricolor vai apostar no bom humor para retratar o velho guerreiro. Renato confirma esse jeitão do tema.

– Cada enredo tem a sua pegada, esse tem um personagem da comunicação de massa, e ele sempre foi irreverente, e a ideia é ter irreverência na feitura disso tudo. E tem tudo a ver com a nossa irreverência, pelo título você já percebe. E (o título) dá margem para várias interpretações – destaca Renato, que, antes dos 15 anos seguidos de Salgueiro, ficou 13 temporadas na Mocidade.

“Ninguém ganha carnaval sozinho, não”, avisa Renato Lage

Em setembro deste ano, a Grande Rio completa 29 anos. Embora já possua na galeria desfiles memoráveis, falta ainda um campeonato para a caçula do Especial. Renato Lage sabe que o título em 2018 vai definir de uma vez por todas a identidade visual da tricolor.

– A Grande Rio ser uma escola nova… tem essa coisa de estar buscando uma nova identidade. Visualmente, já teve grandes trabalhos. Mas se ganhar um campeonato aí começa a imprimir uma identidade. Mas esse negócio da escola ser nova, de estar aberta pra uma identidade nova, combina muito com a gente, né? No Salgueiro, eu temperava, misturava um pouco. Tinha que equilibrar, eu vinha da Mocidade e tal. Eles estão empolgados aqui na Grande Rio, mas já avisei: ninguém ganha carnaval sozinho, não – frisa o artista dos mais valorizados da festa.

Sobre como será desenvolvido o enredo, a carnavalesca Márcia Lage, parceira inseparável de Renato, prefere dar um toque de suspense, afinal de contas só no dia 9 de maio a sinopse será liberada para os compositores da Grande Rio botarem a criatividade pra jogo e finalmente dar o pontapé inicial na disputa de sambas-enredos.

– A gente ainda está discorrendo. Eu gostaria de não adiantar nada, porque se lança uma expectativa agora, e as pessoas já acham que vai ser de um jeito, e ainda estamos no tempo de deletar um parágrafo, enxugar ali, enxugar aqui. Mas (o enredo) é brincalhão. Chacrinha marchando não dá, né? – comentou Márcia.

Filho do histórico apresentador, Leleco Barbosa, que também é um homem de TV, mostrou a gratidão da família com a escola de samba. Chacrinha, que já foi citado em diversos carnavais, finalmente virou protagonista de um enredo do Grupo Especial, pra empolgação do herdeiro.

– A família está muito feliz, é uma emoção grande. A memória dele continua junto do povo brasileiro. A única coisa que faltava no currículo dele, depois de tantas homenagens, era esse enredo que a Grande Rio está proporcionando – discursou Leleco sob aplausos da comunidade.

A única vez que o velho guerreiro esteve no Sambódromo foi em 1987 quando o Império Serrano fez o carnaval “Com a boca no mundo, quem não se comunica se trumbica”, do carnavalesco Ney Ayan. O enredo, no entanto, era sobre a comunicação, e não uma ode a Chacrinha. Em 2018, o comunicador virou tema, e a ideia foi do presidente de honra Jayder Soares – que é um apaixonado por televisão -, mas essa história começou há alguns anos, quando Renato Lage, ainda no Salgueiro, sugeriu a Leleco a homenagem que agora virá à tona na tricolor.

– Há três ou quatro anos, eu encontrei na Sapucaí o Renato e a Márcia. Ele me perguntou “Por que não fizeram um enredo sobre o Chacrinha até hoje?” Eu falei pra ele: ‘Então faça o enredo Renato”. Deus escreve certo por linhas tortas. O Jayder nos chamou pra um jantar me comunicando que era intenção da Grande Rio fazer enredo sobre Chacrinha antes do Carnaval. Calhou que logo depois do Carnaval, o Renato Lage veio pra Grande Rio. A ideia partiu do Jayder, mas o Renato tinha me falado isso há quatro anos. Tudo se encaixou. Eu fico até arrepiado. O enredo tá em melhores mãos. Ele (Chacrinha) lá de cima vai trazer energias positivas aqui pro povo da Grande Rio – finalizou o empresário.

Quem tava empolgado pelo enredo apresentado era Helinho de Oliveira, presidente da honra da Grande Rio. Pra ele, a pegada alto astral da escola nos últimos é mesmo a marca da agremiação.

– A Grande Rio vai continuar nessa linha. Mais um enredo alegre, mais um enredo irreverente. É isso. Muita brincadeira. Chega de colocar tanta tristeza naquela Avenida. Na minha casa, era macarrão, galinha e Chacrinha aos domingos – lembrou, aos risos, o dirigente.

Na imagem, Milton Perácio, presidente administrativo, e Hélio de Oliveira e Jayder Soares, dois dos três presidentes de honra da Grande Rio – Foto: Irapuã Jeferson

Com um enredo sobre a cantora baiana Ivete Sangalo, a Grande Rio ficou com o 5° lugar no Grupo Especial.

 

 

Por Sara Paixão e Luiz Felippe Reis

Dificilmente algum homenageado vai superar Ivete Sangalo. Enredo da Grande Rio em 2017, a baiana fez de tudo. Cantou na final de samba-enredo, gravou o CD das escolas, visitou quadra e barracão várias vezes, foi garota-propaganda do camarote da escola, participou do ensaio técnico na Sapucaí, dividiu o microfone com o intérprete Emerson Dias no esquenta, fez parte da comissão de frente, desfilou duas vezes, chorou no Desfile das Campeãs… Ufa! Elencar as participações de Ivete no último Carnaval é trabalhoso.

E essa relação tão interativa pode ganhar novos capítulos, mesmo após o desfile mais badalado da tricolor de Caxias. É que a rainha do axé curtiu tanto os agitos do samba carioca que tá pensando em continuar ajudando a escola de samba.

Foto: Fat Press/Liesa

– Foi lindo ver minha história na Avenida. Já vi esse desfile mais de cem vezes. Sei todos os detalhes. Amei tanto, que agora vou fazer parte da comissão de Carnaval da Grande Rio. Vão se arrepender de ter me chamado – prometeu.

Ainda no último sábado, 4, Ivete por onde passava no Sambódromo era reverenciada. Um frenesi poucas vezes visto na Avenida. Sangalo se rendeu à galera:

– O público deu um show, a gente desfilou, fez tudo com muito orgulho, mas espetáculo quem deu foi o público. Era uma ondinha lá longe e dando tchau, sacudindo a mãozinha pra mim. Isso aí não tem preço.

Fotos: Irapuã Jeferson e Michele Iassanori

A Grande Rio ficou em 5° lugar neste ano e voltou ao Sábado das Campeãs, depois de ficar um ano de fora.

 

Por Redação – Atualizado às 16h30 (25/3)

Mal acabou o Carnaval, e as escolas, decepcionadas ou eufóricas pelo resultado, já começam a se movimentar nos bastidores para a montagem da melhor equipe rumo aos desfiles de 2018.

E logo nos primeiros dias pós-Quarta-feira de Cinzas, já teve agremiação mudando ou mantendo a base de olho no campeonato que virá. E o Sambarazzo não quer perder nenhum detalhe do vai-e-vem do mercado e lista, desde já, as principais mudanças nos times que vão defender os pavilhões mais tradicionais da festa. Semanalmente, vamos atualizar as movimentações da dança das cadeiras.

Portela

Campeã do Carnaval, a Portela ainda vive os dias mais felizes de sua história recente, graças ao título conquistado depois de 33 anos. Destaques da temporada que passou, os artistas portelenses estão valorizados no mercado. Paulo Barros já saiu. Rosa chegou.

 

 

 

 

Mocidade

Se a Portela ainda festeja, a Mocidade, vice-campeã neste ano, não perdeu tempo e tratou de renovar com as principais estrelas de 2017. Vamos conferir no mapa abaixo:

 

 

 

Salgueiro

Novo líder do ranking da Liesa, o Salgueiro não quer perder o embalo das boas posições dos últimos anos e mais uma vez promete montar uma equipe capaz de levar a Academia ao 10° título no Carnaval. Os carnavalescos Renato e Márcia Lage saíram. Alex de Souza, ex-Vila, assumiu o posto. Diferentemente dos outros anos, a presidente Regina Celi não renovou com a equipe toda antes mesmo dos desfiles.

 

 

 

 

 

 

Mangueira

Campeã em 2016, a Mangueira deve partir para uma nova manutenção da base, que deu certo, garantindo a verde e rosa mais uma vez no Sábado das Campeãs com o 4° lugar deste ano. A única renovação já anunciada é a do carnavalesco Leandro Vieira, que tá cheio de moral pelas bandas do Palácio do Samba.

 

Grande Rio

A tricolor de Caxias esperava bem mais que o 5° lugar em 2017. Sobrou de consolo o retorno ao Desfile das Campeãs. Se a decepção por não ter conquistado o título inédito, nem mesmo com o peso da homenageada Ivete Sangalo, deixará como consequência uma mudança drástica na equipe, só o futuro vai dizer. Mestre de bateria, Thiago Diogo recebeu propostas, mas deve ficar. Renato Lage chega como o maior reforço da tricolor para 2018.

 

Beija-Flor

Conhecida como a “Deusa da Passarela”, a representante de Nilópolis amargou o 6° lugar na classificação. Mesmo com revés de ficar longe da disputa pelo título, a tendência natural é que figuras emblemáticas como Neguinho; Selminha, Claudinho e Laíla sigam para mais temporadas na escola de samba. O coreógrafo Marcelo Misailidis já disse ao Sambarazzo que não tem pretensões de sair da azul e branco e deve aumentar a lista de renovados. A começar pelo carnavalesco Fran Sérgio, a comissão de carnaval foi desfeita.

 

 

Imperatriz

O resultado não agradou. O 7° lugar tirou a Imperatriz do Sábado das Campeãs depois de quatro anos seguidos. O desempenho abaixo das expectativas não fez a bomba cair no colo do carnavalesco como normalmente acontece. Cahê Rodrigues já renovou. Quem serão os próximos?

 

União da Ilha

Pra lá de satisfeita com o carnaval apresentado em 2017, a União da Ilha tem uma tendência a renovar com boa parte do grupo que botou a escola bem longe do fantasma do rebaixamento e a aproximou de uma vaga no Sábado das Campeãs. Figuras como Ito Melodia, Ciça, Severo Luzardo e o casal Phelipe Lemos e Dandara Ventapane estão em alta no mercado. Mestre de bateria, Ciça recebeu propostas, mas deu prioridade à Ilha.

 

 

 

São Clemente

A pretensão era ficar entre as seis primeiras colocadas, mas a São Clemente saiu da Quarta-feira de Cinzas novamente com o 9° lugar. O presidente da escola, Renatinho, chegou a dizer que foi o melhor desfile da história da preto e amarelo. Isso deve credenciar boa parte da equipe a permanecer. Renovações já foram adiantadas, mas a agremiação perdeu peças importantes e já repôs.

 

 

Vila Isabel

A Vila é até aqui a escola que mais se mexeu para buscar reforços. O diretor de carnaval Ricardo Fernandes volta à ativa pela azul e branco no Carnaval 2018. O carnavalesco Alex de Souza não fica por mais um ano na escola do bairro de Noel, no lugar dele o renomado Paulo Barros foi a escolha. A azul e branco foi buscar no Acesso o premiado mestre Chuvisco. Novos integrantes para a comissão de carnaval também chegaram.

 

 

 

 

 

Unidos da Tijuca

O desastre que acabou se transformando o desfile da Unidos da Tijuca pode mexer nas estruturas da equipe para o Carnaval 2018? A escola ainda tenta digerir o baque do 11° lugar de 2017 e já bota as mangas de fora para superar o problema no ano que vem.

 

 

 

 

 

Tuiuti

Com o cancelamento do rebaixamento, a Tuiuti permanece no Grupo Especial e começa a sonhar na consolidação entre as maiores escolas do Rio de Janeiro. Depois do que aconteceu no desfile deste ano, o jeito é esfriar a cabeça e iniciar o planejamento de 2018 com sabedoria.

 

 

 

Império Serrano

De volta ao pelotão de elite do Carnaval carioca, o império Serrano vai ter que acertar em todos os passos daqui em diante para permanecer. Ano que vem, caem duas. Qual será a estratégia imperiana para a manutenção? Vai segurar o time campeão na Série A ou vai apostar alto em nomes com experiência no Grupo Especial?

 

Na Série A

A Unidos de Padre Miguel perdeu para a Viradouro um dos responsáveis diretos pelos rendimentos recentes elogiados pelo público, pela crítica e pelos jurados, o carnavalesco Edson Pereira. Fora da Viradouro, Jorge Silveira, outro que se saiu muito bem na temporada que passou, está no mercado e pode ser uma boa opção.

A Rocinha, que surpreendeu com o 6° lugar deste ano, fica sem o carnavalesco João Vítor Araújo, que entra na vaga deixada por Edson Pereira na Unidos.

A Estácio perdeu o coreógrafo Márcio Moura para a Viradouro e o mestre de bateria Chuvisco, que desembarcou na Vila Isabel.

Mesmo com o 13° lugar em 2016, a Alegria da Zona Sul decidiu renovar com três artistas. O cantor Igor Vianna, o casal Bárbara Falcão e Wanderson Orelha e o mestre de bateria Claudinho permanecem por mais uma temporada.

No Império da Tijuca, o carnavalesco Júnior Pernambucano e o cantor Rogerinho saíram.

 

 

 

 

 

 

A presença da cantora Ivete Sangalo na Marquês de Sapucaí para o ensaio técnico da Grande Rio foi um dos momentos mais aguardados da temporada que antecede o Carnaval deste ano e abalou as estruturas do Sambódromo. Para entrar no clima, o Sambarazzo realiza o sorteio de uma camisa oficial do enredo, autografada pela própria homenageada da tricolor de Caxias. A chance é única e, por isso, vale a pena prestar atenção nas regras da brincadeira.

“Levanta poeira, Ivete!” \o/ Quem será que vai tirar a sorte grande e faturar uma camisa autografada por Ivete Sangalo, homenageada da Grande Rio neste Carnaval? | Foto: Irapuã Jeferson/Sambarazzo

Vencedor também leva par de ingressos para Feijoada do Sambarazzo

O sortudo que levar a camisa pra casa ainda fatura um par de ingressos para a Feijoada do Sambarazzo, que acontece no dia 12 de fevereiro, às 13h no Clube Monte Líbano, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro. O evento terá shows de Alcione e Reinaldo, o Príncipe do Pagode, além de apresentações da Vila Isabel, da Viradouro e da própria Grande Rio. Os convites dão direito à feijoada liberada.

Até Veveta já sabe que vai rolar a festa (vai rolar!) na Feijoada do Sambarazzo | Foto: Michele Iassanori

REGRAS DA PROMOÇÃO

Os participantes da promoção devem:

  1. Preencher o formulário disponibilizado abaixo.
  2. Curtir a página do Sambarazzo no Facebook.
  3. Curtir e compartilhar a postagem que divulga a promoção. 
  4. Marcar cinco (05) amigos nos comentários da publicação.
  5. Seguir o perfil do Sambarazzo no Instagram (@sambarazzo).

Atenção: Podem participar fãs de qualquer lugar do Brasil, mas a retirada dos prêmios deve acontecer na cidade do Rio de Janeiro, em local a combinar. A entrega será feita pela equipe do site ao vencedor ou a um portador autorizado. A campanha fica no ar até dia 11/02. O resultado será divulgado através das páginas do Sambarazzo no Facebook e no Instagram.

“Beijos doces”! Homenageada da Grande Rio, a diva do axé vai marcar presença no ensaio técnico de domingo. Antes disso, deixou um presentão para os fãs do Sambarazzo | Foto: Divulgação

Por Redação

Dona de um dos espaços mais VIPs da Marquês de Sapucaí, a Grande Rio decidiu pela primeira vez dar ao grande público a chance de assistir de camarote aos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro. Antes restrito apenas a convidados da diretoria e à parte da comunidade, este ano quem quiser comprar ingresso com a escola para os quatro dias de festa no Sambódromo carioca vai poder.

Dois fatores foram determinantes para motivar a novidade: a crise financeira que assola o país – a venda dos convites será revertida para o carnaval da agremiação – e a imensa procura de fãs de todo lugar interessados em ver ao ao vivo a passagem da homenageada no enredo da tricolor, Ivete Sangalo.

Timaço de artistas vai agitar camarote da escola

Valesca Popozuda, Preta Gil, Ivete Sangalo, Mr. Catra, Thiago Martins, Xande de Pilares e outros artistas vão agitar o camarote da Grande Rio nos dias de Carnaval – Fotos: Divulgações

“Sei que a gente vai ganhar”, diz Ivete

A cantora, aliás, será atração na pista de desfiles no dia 26 de fevereiro e também no próprio camarote da escola. Ivete vai cantar num intervalo da programação da Passarela do Samba, animando quem estiver no espaço, que tem capacidade para 1000 pessoas por dia.

– Quero que esse dia (o desfile) se estenda. Depois de desfilar, vou dar uma canja no camarote com o Latino. Ele já prometeu ensaiar as minhas músicas. Como sei que a gente vai ganhar, no sábado tem festa de novo. E eu e Pretinha juntas… Vai até de manhã – comentou Ivete, que ressaltou que a programação vai respeitar os intervalos dos desfiles pra não atrapalhar a festa.

Além de Ivete Sangalo, outras estrelas da música já confirmaram presença no camarote da Grande Rio e também farão shows para animar ainda mais a festa, como Valesca Popozuda, Mr. Catra, Thiago Martins, Xande de Pilares e Preta Gil.

O ingresso para curtir o Carnaval mais famoso do mundo no camarote da Grande Rio varia de preço: fica entre R$ 500 e R$ 4000. Para comprar e conhecer mais detalhes basta entrar no site totalacesso.com e clicar no link do evento.

Confira a programação de shows do camarote da Grande Rio:

DIA 24 DE FEVEREIRO (Sexta-feira) => Desfile da Série A
Mr. Catra
DJ Roger Lira
Bateria da Grande Rio

DIA 25 DE FEVEREIRO (Sábado) => Desfile da Série A
Ferrugem
Mc Duduzinho
Bateria da Grande Rio

DIA 26 DE FEVEREIRO (Domingo) => Desfile do Grupo Especial
Ivete Sangalo
Valesca Popozuda
Latino
Bateria da Grande Rio

DIA 27 DE FEVEREIRO (Segunda) => Desfile do Grupo Especial
Xande de Pilares
Thiago Martins
MC Marcelly
Bateria da Grande Rio

DIA 04 DE MARÇO (Sábado) => Sábado das Campeãs
Ivete Sangalo
Preta Gil
MC Maneirinho
DJ Tubarão
Bateria da Grande Rio

Por Redação

A Grande Rio pode contar com um reforço “dos céus” no desfile do ano que vem. É que um padre luta para se tornar passista da escola de Duque de Caxias. Bráulio Francisco Tibúrcio, de 41 anos, natural de Resende, no Sul Fluminense, já desfila como componente na tricolor desde o ano passado, mas sempre teve o sonho de se apresentar na ala da escola que mais arrasa no samba no pé, conforme revelou reportagem do Jorna Extra desta quarta-feira, 16.

padre-grande-rio-1
Padre Bráulio está na briga por uma vaga na ala de passistas da Grande Rio – Foto: Divulgação

Para levar a melhor ante os 15 outros candidatos, o padre, além de rezar – o que certamente faz com mais propriedade que os adversários -, está presente em todos os ensaios da Grande Rio às terças-feiras, mesmo celebrando missas em uma paróquia de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, aos fins de semana. O religioso tem se dedicado em aulas sobre as técnicas de samba. 

– Eu sempre gostei de carnaval e todo o universo das escolas de samba, por influência da minha família. Há três anos, eu me aproximei pela Grande Rio, quando estava em uma das paróquias de Caxias, e celebrava as missas aqui. Agora, quero realizar o meu sonho de ser passista- contou o padre, que para marcar presença nos ensaios fica na casa de amigos moradores de Caxias.

padre-granderio-2
‘A tolerância precisa ser a palavra do milênio’, ensina o padre – Foto: Divulgação

Bispo liberou participação no desfile

Quando a Grande Rio chama, é Bráulio quem celebra as missas de São Jorge na quadra. Ele também chegou a realizar Ofícios Divinos com as baianas da agremiação.

O padre ainda comentou que pediu autorização para o bispo a quem é subordinado, que o autorizou a desfilar. A Igreja Católica não possui nenhuma norma que proíba seus sacerdotes de participar de eventos como o Carnaval. Ainda assim, ele sabe que algumas pessoas não irão entender a iniciativa e pede mais tolerância.

– O simples fato de estar na Grande Rio, no carnaval, não significa que estou pecando. O pecado está dentro das pessoas, de suas atitudes. Temos que estar abertos a conviver com as diferentes pessoas, credos, religiões. A tolerância precisa ser a palavra desse milênio – ensinou Bráulio, que espera preencher uma das vagas.

Bráulio é um dos 15 rapazes que tentam vaga na ala de passistas da Grande Rio para 2017 – a escola só deve disponibilizar cinco vagas. A escolha será feita pela diretoria da agremiação ainda no fim deste mês.

O enredo da Grande Rio para a próxima temporada é em homenagem à cantora baiana Ivete Sangalo.

Por Luiz Felippe Reis

Sempre disponíveis para a adoração do público, os meninos e meninas das alas de passistas das escolas de samba da festa costumam agitar as arquibancadas com as performances da legítima dança de carnaval. Samba no pé, carisma e belos corpos chamam atenção e deixam clara a raiz de cada agremiação.

03h34kjsvf1r7dcz0djsic0ep
Criado pelo carnavalesco Fábio Ricardo, figurino das passistas fará as moças desfilarem com as pernas cobertas, bem diferente do visual da foto – Crédito: Divulgação

Sem perder nenhuma dessas três características, as passistas da Grande Rio, no entanto, terão de encarar uma novidade no desfile de 2017. É que o carnavalesco Fábio Ricardo resolveu inovar nos figurinos das moças e apostou na fantasia chamada “Fricote”, que deixará as meninas com as pernas cobertas, algo que não acontece normalmente. O artista quer ganhar pontos pela criatividade.

– Elas vêm dentro do personagem. É pra sair do comum, é pra ficar diferente. Vai ficar legal – aposta Fábio Ricardo, que vai para o quarto ano seguido na tricolor de Caxias.

fabio-ricardo
Carnavalesco da Grande Rio, Fábio Ricardo inovou no desenho do figurino das passistas para o Carnaval 2017 – Foto: Marcelo Cortes

Passistas opinam sobre figurino peculiar

Passista da Grande Rio, Marisa Furacão, a julgar pelas palavras, curtiu a roupa e aproveita para parabenizar o carnavalesco pela novidade.

– Pra gente, é uma inovação. Não estamos acostumadas a desfilar tão vestidas, mas vai ficar divertido na Avenida. A ideia vai ser bem passada. A roupa tá maravilhosa, parabéns Fabinho, adoramos o figurino, e vamos com tudo – disse a moça.

10398415_990294431049358_519045847275919683_n
Marisa Furacão com Ivete Sangalo, homenageada pela Grande Rio em 2017 – Foto: Arquivo pessoal

Outra integrante da ala, Taís Fidélis minimizou os detalhes do figurino e preferiu valorizar a vontade de desfilar que as meninas têm.

– A passista vai querer sambar de qualquer forma, porque a gente quer desfilar. A gente vai fazer o nosso trabalho, honrar nossa escola, nossa camisa, com samba no pé sempre – opinou.

thais
Passista da Grande Rio, Thais Fidélis também falou sobre o figurino comportado – Foto: Reprodução/Twitter

Sobre outras fantasias que serão vistas no desfile da Grande Rio em homenagem à cantora Ivete Sangalo, Fábio Ricardo reforçou o caráter inovador de algumas roupas e revela que definiu os caminhos  de criação em conversas com a rainha do axé.

– Tentei mostrar fantasias leves, dar soluções com materiais… criei algumas estamparias. Você vê as fantasias e vê a leitura da roupa. Com leveza, pro componente desfilar, e bem coloridas, o que é bom. Criei tudo a partir de conversas com ela, durante horas. Foi tudo um resumo do sentimento dela – completou o artista.

Em busca do título inédito, a Grande Rio será a segunda a desfilar no Domingo de Carnaval, pelo Grupo Especial, com o enredo “Ivete do rio ao Rio”.

Por Luiz Felippe Reis

Desde que se uniram na Grande Rio em 2014, o intérprete Emerson Dias e o mestre de bateria Thiago Diogo fazem valer, durante os shows, ensaios e apresentações, a vocação do samba para a pluralidade e abraçam vários ritmos musicais. De Wesley Safadão a Mamonas Assassinas, tudo o que é música de sucesso tem vez quando o time da tricolor de Caxias está reunido nos palcos Brasil afora.

Durante a final de samba-enredo da escola, enquanto esperavam a chegada triunfal de Ivete Sangalo – a grande homenageada da Grande Rio para o Carnaval 2017 – Emerson Dias e a bateria “Invocada” deram tom do esquenta ao som de MPB, forró, sertanejo, samba, axé… pra delírio da galera, que lotou a quadra em Caxias para a escolha do hino oficial.

Intérprete Emerson Dias
Vale tudo! Por um show completo, Emerson Dias canta de tudo, de MPB a forró, e quem frequenta a Grande Rio acaba vendo de perto shows pra lá de ecléticos – Foto: Diego Mendes/Divulgação – Grande Rio

– É legal pra caraca! É uma coisa que eu sempre fiz, que eu sempre gostei de fazer, antes mesmo de ser o primeiro cantor. Quem tá aqui na quadra, tá aqui também pra ver o cantor, me ver, ver o Thiago tocar, e a gente tem que atrair o público, chamando atenção, então a gente vai brincando. Gosto de botar guitarra, metal… tudo que der, sem esquecer a minha veia. É muito bom. Fiz minha carreira em cima disso. Isso aí é um legado que todos têm que fazer – comentou Emerson Dias, que já levou um ‘Estandarte de Ouro’ – prêmio oferecido pelo Jornal O Globo – na categoria Melhor Puxador, em 2014.

Confira alguns momentos do show eclético da Grande Rio:

Além da linha variada, Emerson não abandona a essência de sambista. Há lugar para as canções de outros ritmos musicais, mas o samba-enredo tem espaço de sobra. Imperatriz, Beija-Flor, Mangueira, Mocidade, Unidos da Tijuca e Salgueiro foram algumas das coirmãs lembradas durante a final da Grande Rio, com sambas lendários cantados na voz do artista.

Já nas primeiras horas da manhã de domingo, 4, a Grande Rio decidiu que a obra da parceria de Paulo Onça seria, a partir dali, considerada o samba oficial da tricolor para o Carnaval 2017. Emerson aprovou a escolha.

– Foi o samba que a comunidade queria, foi o samba que a escola abraçou, que a Ivete abraçou. A escola tá feliz – vibrou o cantor.

“Ivete do rio ao Rio”, de Fábio Ricardo, é o enredo da Grande Rio para o ano que vem. A escola de Caxias será a segunda a desfilar no Domingo de Carnaval, pelo Grupo Especial.

Por Luiz Felippe Reis

O segundo samba a se apresentar na madrugada deste domingo, 4, de Márcio das Camisas e parceiros bem que tentou o bicampeonato na Grande Rio, durante a final, realizada na quadra, em Caxias. Mas a vitória mesmo ficou com o time de Paulo Onça.

Apesar de mexer com o público e agradar na competição, a obra, além de ter caído na disputa para virar hino oficial da tricolor, viu o protagonista dos microfones da equipe, o intérprete Quinho, cair do palco, de uma altura de aproximadamente 1,60m. Dividindo o espaço com ritmistas, a homenageada Ivete Sangalo, o promoter David Brazil e dos próprios compositores, Quinho checava alguns detalhes na mesa de som, quando, diante da empolgação pela apresentação, acabou, acidentalmente, empurrado por alguém.

IMG_9835
Cantor da parceria de Márcio das Camisas, Quinho caiu no palco, o que não impediu a boa apresentação dele e da equipe – Foto: Irapuã Jeferson

A queda, que assustou quem acompanhava o samba-enredo na quadra, no entanto, não tirou o ânimo do experiente cantor, de 59 anos. Ele não só se levantou e voltou ao palco, como terminou a apresentação sem apresentar nenhum tipo de avaria pelo ‘estabaco’.

– Me deram um empurrão, maluco. Mas esse povo é tão maravilhoso que me acolheu em seus braços. Machuquei nada.  Tomei maior tombão, os compositores na empolgação, pulando, estava indo pra perto da caixa pra ver meu retorno e fui jogado pra fora do palco. Sou filho de Ogum, eu envergo, mas não quebro – disse Quinho, que é intérprete oficial da Unidos do Peruche, do Carnaval de São Paulo.

quinho e ivete
Ivete Sangalo ao lado de Quinho durante a apresentação do segundo samba concorrente da noite – Foto: Diego Mendes

Já com os raios de sol iluminando a quadra, a Grande Rio anunciou, por volta das 6h, o samba-enredo oficial para 2017, que será a trilha sonora da tricolor quando entrar na Avenida, no Domingo de Carnaval, como segunda a desfilar na noite de abertura do Grupo Especial. “Ivete do rio ao Rio”, desenvolvido pelo carnavalesco Fábio Ricardo, é o enredo da escola. O samba é composto por Paulo Onça, Kaká, Dinho Artigliri, Rubens Gordinho, Alan Vasconcelos e Marco Moreno.